Os fundamentos científicos da contabilidade: análise da tese de Hilário Franco defendida no V Congresso brasileiro de Contabilidade em 1950

Rodrigo Antonio Chaves da Silva

Resumen


O objetivo desse artigo é apresentar uma sucinta visão analítica da tese de Hilário Franco que foi considerada por muitos cientistas da contabilidade brasileira, um marco na história das letras nacionais e internacionais devido ao seu conteúdo, no período de sua edição, à frente do seu tempo. A pesquisa naturalmente é histórica, e nitidamente bibliográfica e documental quanto aos meios, e explicativa, exploratória, e descritiva quanto aos fins, pois, analisa a teoria que foi exposta por edições raras lançados pelo congresso, que hoje não existem mais, aspirando proceder a testes da sua essência com base em hipótese do seu tema, profundamente gnosiológico, explicando o seu âmago. A justificativa para o estudo desse caso histórico encontra-se na ausência completa de investigação minuciosa dessa tese, embora, haja reconhecimentos de sua importância, e compêndios pequenos para abordá-la, sem trabalhos exclusivos com tal intento, o que denota a importância desse projeto para os estudos estruturais de nosso conhecimento. O artigo se divide em capítulos breves sobre o trabalho, descrevendo-o e explorando-o, e procura investiga-lo dentro do âmbito da ciência da contabilidade, na sua contribuição doutrinária, dentro do contexto histórico-teórico o qual é inserido. Sendo apenas uma avaliação ou pesquisa, sobre a história de nossa disciplina, pode ter ainda muitos outros temas a serem explorados pela plêiade de renomados estudiosos de nossa especialidade da atualidade.

Palabras clave


Contexto da contabilidade; A tese de Franco no V Congresso; Fundamentos científicos da contabilidade; A ciência contábil; Futuras pesquisas

Texto completo:

PDF (Português (Brasil))

Referencias


Amaduzzi, A. (2006). L`azienda nel suo sistema operante – a cura di Antonio amaduzzi. 9ª ristampe. Torino: UTET.

Aristóteles (2006). Política. São Paulo: Martin Claret.

Arreghini, H. (2012). Contabilidad: Sus fundamentos conceptuales. Contabilidad y Auditoria, UBA, nº 35, ano 18, junio.

Besta, F. (1922). La Ragioneria. 2º Ed. Milano: Editrice Dottor Francesco Vallardi.

Carqueja, H. (2003). Do saber da profissão às doutrinas da academia. Revista de Contabilidade e Comércio. Lisboa: EDICONTA, v. 59, nº234-235.

Carvalho, C. (1973). Estudos de Contabilidade. 25ª ed. São Paulo: “Lisa” Livros irradiantes S.A.

_______. (s.f.). Estudos de Contabilidade. 15ª ed. São Paulo: Editorial Irradiação, s/d. III V.

_______. (1944). Tratado Elementar de Contabilidade – para uso dos alunos dos institutos de Comércio. 15ª ed. São Paulo: Companhia Editora Nacional.

Conselho Federal de Contabilidade (2008). História dos Congressos Brasileiros de Contabilidade. Brasília: CFC.

D`auria, F. (1953). Variação do Valor Efetivo do Capital. São Paulo: Ed. Atlas.

____. (1959). Primeiros Princípios de Contabilidade Pura. São Paulo: Companhia Editora Nacional.

____. (1954). Contabilidade Integral. Conferencia Interamericana de Contabilidade. São Paulo: FCE.

____. (1953). Cinqüenta anos de Contabilidade. São Paulo: Indústria Gráfica Siqueira.

____. (1956). Contabilidade Geral (Teoria da Contabilidade Patrimonial). São Paulo: Companhia Editora nacional.

Escobar, C. (1975). As ciências e a Filosofia. Rio de Janeiro: Imago.

Ferrero, G. (1954). Contabilità e statistica aziendale – nelle loro mutue relazioni. Milano: Dottore A. Giuffrè.

Fichte, J. (1980). A doutrina da ciência de 1794 e outros escritos. São Paulo: Abril Cultural. Coleção “Os pensadores”.

Filho, J. (1974). Prática de análise econômico-financeira das empresas. São Paulo: Atlas.

Florentino, A. (1990). Análise Contábil: Analise de Balanços. 9º Ed. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas.

_____. (1963). Classificação de Patrimônio para uma análise econômica dos Balanços das empresas. Rio de Janeiro: Fundação Getulio Vargas.

_____. (1972). Teoria Contábil. 2ª ed. Rio de Janeiro: FGV.

_____. (1976). Análise de Balanço para companhias de Seguros. São Paulo: Ed. Manuais Técnicos de Seguros.

_____. (1973). Custos: Princípios, Cálculo e Contabilização. 4ª ed. Rio de Janeiro: FGV.

_____. (1999). O crescente domínio da matemática no desenvolvimento da Contabilidade. Revista Paulista de Contabilidade, São Paulo: Sindicato dos Contabilistas de São Paulo, ,p.19-21, jun.

Franco, H. (1950). Fundamento Científico da Contabilidade. São Paulo: Ed. Revisora Gramatical.

_____. (1973). Estrutura, análise e interpretação de balanço. 12. Ed. São Paulo: Atlas.

_____. (1976). Contabilidade comercial. 11ª ed. São Paulo: Atlas.

_____. (1988). A evolução dos Princípios Contábeis no Brasil. 13º Congresso Brasileiro de Contabilidade, 18 a 23 de set . Cuiabá Anais: CFC.

_____; Iudicibus, S.; Mussolini, L.; Martins, E. (1981). Formulações orçamentárias e planejamento de lucro em condições inflacionárias: algumas considerações. Conferência interamericana de contabilidade, Santiago do Chile: Anais.

_____. (1961). Contabilidade Geral. 6ª ed. São Paulo.

_____. (1980). As demonstrações contábeis e a lei nº 6404/76. Congresso Brasileiro de Contabilidade, Curitiba, Anais, Paraná.

_____. (1969). Função, Dever e Responsabilidade do Auditor. Revista Paulista de Contabilidade: SCSP, nº 427.

_____; Martins, E.; Gelbcke, E.; Iudícibus, S. (1984). Conflito entre princípios contábeis e as normas legais e fiscais. Revista Brasileira de Contabilidade. Rio de Janeiro: CFC, vol. 14, nº50, jul/set.

_____. (1978). Demonstrações Contábeis e Demonstrações Financeiras. Revista Paulista de Contabilidade. São Paulo: SCSP, v. 56, nº 455.

_____. (1973). Princípios de Contabilidade Geralmente Aceitos (Preceitos Básicos e Complementares). Revista do Conselho do Rio Grande do Sul, CRCRS, Porto Alegre, v.1, nº4, abril/junho.

_____. (1969). A importância da Auditoria na função do Contador público. Revista Paulista de Contabilidade: SCSP, nº 447.

Gil, A. (2009). Estudo de Caso. São Paulo: Atlas.

Gomes, F. (1945). Elementos de Contabilidade e Ciências Econômicas. São Paulo: Edições e Publicações Brasil.

Guimarães, J. (2005). História e Teoria da Contabilidade: Breve Reflexão. Pesquisa realizada em www.infocontab.com.pt em 27 de out.

Iudícibus, S.; Martins, E.; Carvalho, N. (2005). Contabilidade: Aspectos relevantes da epopéia de sua evolução. Revista Contabilidade e Finanças, USP, São Paulo, nº 38, maio/ agosto.

____. (1982). Existirá a contabilometria? Revista Brasileira de Contabilidade, Rio de Janeiro, CFC, Ano XII, nº 41, abr/jun.

Júnior, F. (1967). Contabilidade Superior. 7ª edição, São Paulo: Ed. Atlas.

____. (1975). Análise de Balanço para a Administração Financeira. 10ª ed. São Paulo: Ed. Atlas.

____. (1960). Elementos de Administração. 4ª ed. São Paulo: Ed. Atlas.

Klein, T. C. (1954). Contabilidade Superior: Estrutura e Análises de Balanços. 2ª ed. Rio de Janeiro: Ed. Aurora.

____. (1954). História da Contabilidade - noções gerais. Rio de Janeiro: Ed. Aurora.

____. (1951). Prática da Contabilidade Industrial e Custos. 2ª ed. Rio de Janeiro: Aurora.

____. (1950). Pesquisas Econômicas. Rio de Janeiro: Aurora.

Leite, F. (2008). Metodologia Científica. Aparecida: Idéias & Letras.

Lopes, A. (2002). A informação contábil e o mercado de capitais. São Paulo: Pioneira Thomson Learning.

Masi, V. (1927). La ragioneria come scienza del patrimônio. 1ª ed. Pádua: Dottore Antonio Milani.

____. (1939). Analisi finanziarie e reddituali in relazione al capitale in gestione nelle imprese. Milano: Cada editrice Dottor Francesco Vallardi.

____. (1945). Statica Patrimoniale. 2ª ed. Padova: Casa Editrice Dottore Antonio Milani.

____. (1947). Dinamica Patrimoniale. Padova: Casa Editrice Dottore Antonio Milani. V I e II.

____. (1955). Filosofia della Ragioneria. Bolonha: Dott. Cesare Zuffi – Editore.

____. (1971). La Scienza del Patrimônio. Milano: Nicola Milano Editore.

____. (1961). Ragioneria Generale. 5ª ed. Padova: Cedam.

____. (1964). La Ragioneria Nella Preistoria e Nell`antichità. Bologna: Tamari Editori.

____. (1997). La Ragioneria Nell`età Moderna e Contemporanea. Texto revisado e completado por Carlo Antinori. Milão: Giuffré Editore.

____. (1950). Ragioneria e non Ragioneria. Rivista Italiana di Ragioneria, Roma: Federazioni Nazionale dei Collegi dei Ragioneri. Anno XLIII, série 2, Gennaio-Febraio.

____. (1968). Os fenômenos Patrimoniais como Objeto da Contabilidade. Revista Paulista de Contabilidade. São Paulo: SCSP, nº 423.

____. (1969). A contabilidade está morta! Viva a Contabilidade! Revista Paulista de Contabilidade, São Paulo: SCSP, nº 429.

____. (1971). A contabilidade e suas atribuições essenciais no mais próximo futuro. Revista Paulista de Contabilidade, São Paulo: SCSP, n. 434.

Mautz, R.K. (1985). Princípios de Auditoria. Tradução e adaptação técnica de Hilário Franco. 4ª ed. São Paulo: Atlas.

Reale, M. (2002). Filosofia do Direito. 20ª ed. São Paulo: Saraiva.

Sá, A. (1953). Filosofia da Contabilidade. Rio de Janeiro: Ed. Aurora.

____. (1959). O equilíbrio do Capital das Empresas. Belo Horizonte: Estabelecimentos Gráficos Santa Maria S/A.

____. (1961). História da Contabilidade. Belo Horizonte: Ed. Presidente. Enciclopédia moderna de Contabilidade.

____. (1965). Teoria do capital das empresas. Rio de Janeiro: FGV.

____. (1999). Teoria da Contabilidade. São Paulo: Ed. Atlas.

____. (2000). Princípios Fundamentais de Contabilidade. São Paulo: Ed. Atlas.

____. (1992). Teoria Geral do Conhecimento Contábil. Belo Horizonte: IPAT-UNA.

____. (1997). História Geral e das Doutrinas da Contabilidade. São Paulo: Ed. Atlas.

____. (1959). Contabilidade das Sociedades Anônimas. São Paulo: Ed. Atlas.

____. (1994). Autonomia e Qualidade Cientifica da Contabilidade. Conselho Regional de Contabilidade de Minas Gerais.

Poincaré, H. (1924). O valor da Sciencia. Rio de Janeiro: Livraria Garnier.

Silva, R (2009). Evolução doutrinária da contabilidade – Epistemologia do princípio patrimonial. Curitiba: Juruá.

______. (2012). Introdução à Moderna Contabilidade Geral. Curitiba: Juruá.

_____. (2010). Aproximación al estúdio de la normalización contable internacional, desde la escuela neopatrimonialista. Revista Internacional Legis de Contabilidad & Auditoria, LEGIS, Bogotá, nº 41.

______. (2008). A história da Teoria do equilíbrio patrimonial: a doutrina da estática de Vincenzo Masi, e a tese das proporções simétricas de Antonio Lopes de Sá. Tese de concurso. Ganhador do primeiro lugar no prêmio internacional de história da contabilidade/ APOTEC.

Vergara, S. (2000). Projetos e Relatórios de Pesquisa em Administração. 3ª ed. São Paulo: Ed. Atlas.

Zappa, G. (1950). Il Rédito di Impresa. 2ª edição.Milão: Dott. A. Giuffrè - Editore.


Resumen : 374 PDF (Português (Brasil)) : 1901

Métricas de artículo

Cargando métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Esta publicación hace parte del Sistema de Revistas de la Universidad de Antioquia
¿Quieres aprender a usar el Open Journal system? Ingresa al Curso virtual
Este sistema es administrado por el Programa Integración de Tecnologías a la Docencia
Universidad de Antioquia
Powered by Public Knowledge Project