La acción como principio comprensivo

Mateus Yuri Passos, Raúl Osorio Vargas

Resumen


En este corto ensayo, revemos en un primer momento la doble caracterización de la comprensión como método en cuanto al abordaje epistemológico e intersubjetivo, para luego presentar un segundo binomio: el pensar y el actuar comprensivos. En ese sentido, discutimos la acción en cuanto principio de la comprensión como método, a partir del entendimiento de que se constituye como una segunda faz del pensamiento comprensivo, la cual complementaría la primera en un movimiento de integración entre el mundo del pensamiento y el mundo de la vida. Como ejemplos de propuestas, presentamos los diecisiete ensayos que constituyen el dosier “Actuar con el signo de la comprensión”, publicados en esta edición especial de la revista Folios (n. 40, julio/diciembre 2018), en los cuales se observa la integralidad de observación, análisis y práctica efectiva de un pensamiento comprensivo unido al campo de la acción.

Texto completo:

PDF

Referencias


ADORNO, Theodor W. 1986. O ensaio como forma. En: COHN, Gabriel (Org.). Theodor W. Adorno. São Paulo: Ática, p. 165-187.

ARENDT, Hannah. 2008. Compreender: formação, exílio e totalitarismo (ensaios). São Paulo: Companhia das Letras; Belo Horizonte: Editora UFMG.

ARENDT, Hannah. 2008. A condição humana. 10a. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária.

BAKHTIN, Mikhail M. 2012. Para uma filosofia do ato responsável. Trad. de Valdemir Miotello e Carlos Alberto Faraco. 2.ed. São Carlos: Pedro & João Editores.

BASCH, Linda; BLANC-SZANTON, Cristina; SCHILLER, Nina Glick. 1992. Transnationalism – A new analytic framework for understanding migration. Annals New York Academy of Science, Vol. 645, p. 1-24. Disponible en: http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1111/j.1749-6632.1992.tb33484.x/abstract [consultado el 23 sept. 2018].

BAZELEY, Pat. 2003. Teaching mixed methods. Qualitative Research Journal, v. 3, p. 117-126.

BAUMAN, Zygmunt. 2017. Estranhos à nossa porta. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

BENJAMIN, Walter. 1994. O narrador: considerações sobre a obra de Nikolai Leskov. En: Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. São Paulo: Brasiliense, p. 197-221.

BOURDIEU, Pierre. 1989. O poder simbólico. Lisboa: Difel.

BUBER, Martin. 1982. Do diálogo e do dialógico. São Paulo: Perspectiva.

BUBER, Martin. 1949. Qué es el hombre? México: Fondo de Cultura Económica.

CAMPBELL, Joseph. 2007. O herói de mil faces. São Paulo: Editora Cultrix/Pensamento.

CANCLINI, Néstor García. 1998. Culturas híbridas: estratégias para entrar e sair da modernidade. São Paulo: Edusp.

CANCLINI, Néstor García. 2005. Diferentes, Desiguais e Desconectados. Rio de Janeiro: Editora UFRJ.

CERTEAU, Michel de. 1994. A invenção do cotidiano: artes de fazer. Petrópolis: Vozes.

CONNELY, F. Michael.; CLANDININ, D. Jean. 2011. Pesquisa narrativa: experiência e história em pesquisa qualitativa. Uberlândia: EDUFU.

DELORY-MOMBERGER, Christine. 2008. Biografia e educação: figuras do indivíduo-projeto. São Paulo: Paulus; Natal: EDUFRN.

DELORY-MOMBERGER, Christine. 2014. As histórias de vida: da invenção de si ao projeto de formação. Natal: EDUFRN; Porto Alegre: EDIPUCRS; Brasília: EDUNEB.

DURAND, Gilbert. 2002. As estruturas antropológicas do imaginário. São Paulo: Martins Fontes.

ESCUDERO, Camila. 2017. Comunidades em festa: a construção e expressão das identidades sociais e culturais do imigrante nas celebrações das origens. Tese (Doutorado em Comunicação e Cultura) – Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Rio de Janeiro.

FERRAROTTI, Franco. 2014. História e histórias de vida: o método biográfico nas ciências sociais. Natal, RN: EDUFRN.

GALEANO, Eduardo. 2005. As veias abertas da América Latina. São Paulo: Paz e Terra.

GALTUNG, Johan. 1969. Violence, peace, and peace research. Journal of Peace Research, v. 6, n. 3, p. 167-191.

HALL, Stuart. 2005. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A Editora.

HEIDEGGER, Martin. 2009. Ser e tempo. 4. ed. Petrópolis: Vozes.

HELLER, Agnes. 2008. O cotidiano e a história. São Paulo: Paz e Terra.

IDOETA, Mayra Domingues. 2016. Narrativa seriada, mito e compreensão: um estudo da série House of Cards. 151 p. Dissertação (Mestrado em Comunicação) – Faculdade Cásper Líbero, São Paulo.

JOSSO, Marie Christine. 2010. Experiências de vida e formação. 2. ed. rev. e ampl. Natal, RN: EDUFRN; São Paulo: Paulus.

JUNG, Carl Gustav. 2002. Os arquétipos e o inconsciente coletivo. 2.ed. Petrópolis/RJ: Vozes.

KLAUTAU, Carolina Moura. 2018. Jornalismo, incerteza e complementaridade de opostos: um diálogo compreensivo. 268 f. Dissertação (Mestrado em Comunicação) - Faculdade Cásper Líbero.

KRISTEVA, Julia. 1994. Estrangeiros para nós mesmos. Rio de Janeiro: Rocco.

KÜNSCH, Dimas. 2000. Maus pensamentos: os mistérios do mundo e a reportagem jornalística. São Paulo: Annablume; FAPESP.

KÜNSCH, Dimas. 2005. Comprehendo ergo sum: epistemologia complexo-compreensiva e reportagem jornalística. Communicare, São Paulo, v. 5, n. 1, p. 43-54.

KÜNSCH, Dimas. 2010. Comunicação e pensamento compreensivo: um breve balanço. En: KÜNSCH, Dimas A.; MARTINO, Luis M. S. (Orgs.). Comunicação, jornalismo e compreensão. São Paulo: Editora Plêiade.

KÜNSCH, Dimas A.; MENEZES, José Eugenio de O.; PASSOS, Mateus Yuri. 2017. Conhecimento, compreensão e cultura: aspectos intersubjetivos e epistemológicos da compreensão como método. En: 26º Encontro Anual da Compós, 2017, São Paulo. Anais do 26. Encontro da Compós. Brasília: Compós, 2017.

KÜNSCH, Dimas; PASSOS, Mateus Yuri; CARRARO, Renata. 2017. Justice mediation as a policy for comprehensive communication. In: CABRAL, Adilson; BOLAÑO, César; ARAUJO, Denize; ANDACHT, Fernando; PAULINO, Fernando. (Orgs.). New Concepts and Territories in Latin America. 1ed. São José dos Pinhais: Página 42, p. 258-278.

LARROSA, Jorge. 2002. Notas sobre a experiência e o saber da experiência. Revista Brasileira de Educação, n. 19, p. 20-28.

LÉVINAS, Emmanuel. 1997. Entre nós: ensaios sobre a alteridade. Petrópolis, RJ: Vozes.

LIMA, Edvaldo Pereira. 2009. Páginas ampliadas: o livro-reportagem como extensão do jornalismo e da literatura. 4. ed. Barueri/SP: Manole.

LIPOVETSKY, Gilles; CHARLES, Sébastien. 2004. Os tempos hipermodernos. São Paulo: Barcarolla.

MACDOUGALL, Curtis. 1950. Interpretative Reporting. New York: The Macmillan Company.

MAFFESOLI, Michel. 2010. O conhecimento comum: introdução à sociologia compreensiva. Porto Alegre: Sulina.

MARCONDES FILHO, Ciro. 2002. O espelho e a máscara:o enigma da comunicação no caminho do meio. Ijuí-RS: Editora Unijuí.

MARTÍN-BARBERO, Jesús. 1991. De los medios a las mediaciones – Comunicación, cultura e hegemonía. México: Editorial Gustavo Gilli.

MARTINO, Luís Mauro Sá. 2010. O desafio epistemológico de compreender o outro. En: KÜNSCH, Dimas A.; MARTINO, Luis M. S. (Org.). Comunicação, jornalismo e compreensão. São Paulo: Editora Plêiade.

MEDINA, Cremilda. 2003. A arte de tecer o presente: narrativa e cotidiano. São Paulo: Summus.

MEDINA, Cremilda. 1988. Notícia, um produto à venda: jornalismo na sociedade urbana e industrial. São Paulo: Alfa-Ômega.

MEDINA, Cremilda. 2006. O signo da relação: comunicação e pedagogia dos afetos. São Paulo: Paulus.

MEDINA, Cremilda; LEANDRO, Paulo Roberto. 1973. A arte de tecer o presente: jornalismo interpretativo. São Paulo: Edição dos Autores.

MELO, José Marques de. 1985. A opinião no jornalismo brasileiro. Petrópolis: Vozes.

MELO, José Marques de; ASSIS, Francisco de. (Orgs.). 2010. Gêneros jornalísticos no Brasil. São Bernardo do Campo: Editora Metodista.

MELLO, Luiz Carlos. 2015. Nise da Silveira – caminhos de uma psiquiatra rebelde. Rio de Janeiro: Automática Edições.

MONTAIGNE, Michel de. 2010. Os ensaios. São Paulo: Companhia das Letras.

MORIN, Edgar. 2001. Os sete saberes necessários à educação do futuro. São Paulo, Cortez; Brasília, DF: Unesco.

MORIN, Edgar. 1970. O cinema ou o homem imaginário: ensaios de antropologia. Lisboa: Moraes.

MORIN, Edgar. 2003. A cabeça bem-feita: repensar a reforma, reformar o pensamento. 8. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

MORIN, Edgar. 1994. Introducción al pensamiento complejo. Barcelona: Geisa.

MOURA, Paulo. 2005. Passaporte para o céu. Portugal: Dom Quixote.

ORLANDI, Eni P. 1996. A linguagem e seu funcionamento: as formas do discurso. Campinas: Pontes Editora.

RESTREPO, Luis Carlos. 1998. O direito à ternura. Petrópolis, RJ: Vozes.

SALINAS, Alex. 2014. Periodismo y comunicación para la paz. Indicadores y marco regulatório. Revista Comunicación y Ciudadanía Digital – COMMONS, v. 3, n. 1, p. 57-92.

SANTOS, Milton. 1986. Técnica, Espaço e Tempo. Editora Ática: São Paulo.

SCHECHNER, Richard. 2004. The Future of Ritual: Writings on Culture and Performance. Routledge: New Fatter Lane.

SILVEIRA, Nise. 1981. Imagens do inconsciente. Rio de Janeiro: Alhambra.

SONTAG, Susan. 2003. Diante da dor dos outros. São Paulo: Companhia das Letras.

TEDDLIE, Charles; JOHNSON, Burke. 2009. Methodological thought since the 20th century. En: Foundations of mixed methods research: integrating quantitative and qualitative approaches in the social and behavioral sciences. Thousand Oaks, CA: Sage Publications, p. 40-61.

VARGAS, Raúl Hernando Osorio. 2017. El reportaje como metodología del periodismo: una polifonía de saberes. Medellín: Editorial Universidad de Antioquia.

VENTURA, Mauro; ABIB, Tayane. 2015. A notícia como desacontecimento: possibilidades de inovação a partir das narrativas de Eliane Brum. Revista Comunicação Midiática (Online), Bauru/SP, V. 10, N. 3, p. 135-150.

VICTOR, Cilene. 2016. Crise humanitária e refugiados da guerra e do clima: dos protocolos internacionais às narrativas jornalísticas. Líbero. São Paulo, v. 19, n. 37-A, p. 45-54. Disponible en: [consultado el 05 jul. 2018].

VOGLER, Christopher. 2015. A jornada do escritor: estrutura mítica para escritores. 3.ed. São Paulo: Aleph.


Resumen : 15 PDF : 15

Métricas de artículo

Cargando métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Copyright (c) 2019 Folios, revista de la Facultad de Comunicaciones

Esta publicación hace parte del Sistema de Revistas de la Universidad de Antioquia
¿Quieres aprender a usar el Open Journal system? Ingresa al Curso virtual
Este sistema es administrado por el Programa Integración de Tecnologías a la Docencia
Universidad de Antioquia
Powered by Public Knowledge Project