A opacidade do sofrimento humano decorrente de desastres sob a perspectiva do jornalismo humanitário

Cilene Victor

Resumen


O Jornalismo Humanitário começa a erguer os seus primeiros alicerces no contexto da maior crise humanitária desde o final da Segunda Guerra Mundial. São milhões de vítimas da fome, dos conflitos armados, das guerras civis, da violência generalizada, dos desastres e das mudanças climáticas. Embora o sofrimento humano seja o retrato de milhões de pessoas em várias partes do mundo, agências humanitárias denunciam que esse sofrimento tem sido em silêncio, resultado da omissão e da indiferença dos meios de comunicação. Este ensaio, parcialmente escrito na primeira pessoa do singular, adota os preceitos e caminhos da compreensão para contar como vamos construir um jornalismo capaz de reduzir o sofrimento humano e, sobretudo, impedir que ele se dê em silêncio e na opacidade, marcada pelo “véu do esquecimento” e pela “rotina da normalidade”.


Texto completo:

PDF

Referencias


ACNUR – United Nations High Commissioner for Refugees. 2017. Global trends – Forced Displacement in 2016. UNHCR.

ARENDT, Hannah. 2008. A condição humana. 10a. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária.

BAUMAN, Zygmunt. 2017. Estranhos à nossa porta. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

BECK, Ulrich. 1999. World risk society. Cambridge: Polity Press.

GIDDENS, Anthony. 2010. A política da mudança climática. Rio de Janeiro: Zahar.

IDMC – Internal Displacement Monitoring Centre. 2018. Global report on internal displacement 2018. Genebra: IDMC. Disponible en: . [consultado el 20 dec. 2018].

KEMPF, Willhelm. 2016. Dangers of Peace journalism. Conflict & Communication Online. Vol. 15, n. 2. Disponible en: . [consultado el 20 dec. 2018].

KI-MOON, Ban. 2016. Agenda for humanity. United Nations. Disponible en: . [consultado el 20 dec. 2018].

MARTÍNEZ ALIER, Joan. 2007. O ecologismo dos pobres: conflitos ambientais e linguagens de valoração. São Paulo: Contexto.

SCOTT, Martin; BUNCE, Mel; WRIGHT, Kate. 2018. The state of Humanitarian Journalism. Norwich, England: University of East Anglia. Disponible en: . [consultado el 20 dec. 2018].

SCOTT, Martin. 2017. What makes news humanitarian? The dilemmas of reporting on suffering. In: Public Media Alliance. Maio de 2017. Disponible en: https://www.publicmediaalliance.org/what-makes-news-humanitarian/>. [consultado el 23 dec.2018]

SHINAR, Dov. 2009. Jornalismo de guerra e de paz no Oriente Médio. Líbero. São Paulo. V. 12, n. 24, p. 9-20.

UNISDR. 2015. Sendai framework for disaster risk reduction 2015-2030. Disponible en: . [consultado el 20 dec. 2018].

UNISDR. 2010. Disaster through a different lens: behind every effect, there is a cause. Disponible en: . [consultado el 20 dec. 2018].

VEYRET, Yvette. 2007. Os riscos: o homem como agressor e vítima do meio ambiente. São Paulo: Contexto.

VICTOR, Cilene. 2014. Diálogo nos cenários de riscos de desastres. En: KÜNSCH; AZEVEDO; BRITO; MANSI (Orgs.). 2014. Comunicação, diálogo e compreensão. Plêiade, p. 179-191.

YOUNG-BRUEHL, Elisabeth. 1997. Hannah Arendt: por amor ao mundo. Rio de Janeiro: Relume Dumará.


Resumen : 32 PDF : 33

Métricas de artículo

Cargando métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Copyright (c) 2019 Folios, revista de la Facultad de Comunicaciones

Esta publicación hace parte del Sistema de Revistas de la Universidad de Antioquia
¿Quieres aprender a usar el Open Journal system? Ingresa al Curso virtual
Este sistema es administrado por el Programa Integración de Tecnologías a la Docencia
Universidad de Antioquia
Powered by Public Knowledge Project