O mito tradicional do herói e a integração de luzes e sombras no herói compreensivo

Rafael Gonçalves Teixeira

Resumen


A trajetória do herói como proposta por Joseph Campbell e a figura do anti-herói como descrita por Christoph Vogler recebem neste ensaio a adição da experiência do cotidiano em Agnes Heller, resultando em um novo tipo de herói, a que damos o título de compreensivo. Diferentemente do anti-herói, o herói compreensivo não dialoga apenas com seu lado sombrio, mas mergulha em uma experiência cotidiana legítima, ampliando a noção de empatia com o público e sua humanidade. Na base da noção de herói compreensivo encontram-se as ideias de incerteza (Edgar Morin), complementaridade dos opostos (Carolina Klautau) e imaginário (Gilbert Durand). A integração de luz, sombra e cotidiano ajuda a compor uma nova ideia de herói na contemporaneidade.


Texto completo:

PDF

Referencias


ARAÚJO, Alberto Filipe; BERGMEIER, Horst. 2013. Jung e o tempo de Eranos: do sentido espiritual e pedagógico do círculo de Eranos. Revista @mbienteeducação. São Paulo, v. 6, n. 1, p. 94-112. Disponible en: . [consultado el 21 dec. 2018].

ARENDT, Hannah. 2008. Compreender: formação, exílio e totalitarismo (ensaios). São Paulo: Companhia das Letras; Belo Horizonte: Editora UFMG.

CAMPBELL, Joseph. 2007. O herói de mil faces. São Paulo: Editora Cultrix/Pensamento.

DURAND, Gilbert. 2002. As estruturas antropológicas do imaginário. São Paulo: Martins Fontes.

FERNANDES, Paulo Emílio de Paiva. 2016. O discurso mítico de narrativas contemporâneas: uma leitura do filme 2001: Uma odisseia no espaço. Dissertação (Mestrado em comunicação) – Faculdade Cásper Líbero, São Paulo.

GRINBERG, Luiz Paulo. 1997. Arquétipos e inconsciente coletivo. In: Jung: o homem criativo. São Paulo: FTD.

HELLER, Agnes. 2008. O cotidiano e a história. São Paulo: Paz e Terra.

IDOETA, Mayra Domingues. 2016. Narrativa seriada, mito e compreensão: um estudo da série House of Cards. 151 p. Dissertação (Mestrado em Comunicação) – Faculdade Cásper Líbero, São Paulo.

JOST, François. 2012. Do que as séries americanas são sintoma? Porto Alegre: Sulina.

JUNG, Carl Gustav. 2002. Os arquétipos e o inconsciente coletivo. 2.ed. Petrópolis/RJ: Vozes.

KLAUTAU, Carolina. 2018. Jornalismo, incerteza e complementaridade de opostos: um diálogo compreensivo. Dissertação (Mestrado em Comunicação) – Faculdade Cásper Líbero, São Paulo.

LOGAN. Direção de James Mangold. Estados Unidos: Twentieth Century Fox, Marvel Entertainment, TSG Entertainment, Kinberg Genre, Hutch Parker Entertainment e Donners’ Company, 2017. 1 DVD (137 min), son., color.

LIPOVETSKY, Gilles. 2009. O império do efêmero: a moda e seu destino nas sociedades modernas. São Paulo: Companhia das Letras.

LIPOVETSKY, Gilles; CHARLES, Sébastien. 2004. Os tempos hipermodernos. São Paulo: Barcarolla.

MARTIN, Brett. 2014. Homens difíceis: os bastidores do processo criativo de Breaking Bad, Família Soprano, Mad Men e outras séries revolucionárias. São Paulo: Aleph (kindle edition).

MEU MALVADO FAVORITO. Direção de Pierre Coffin e Chris Renaud. Estados Unidos: Universal Pictures e Illumination Entertainment, 2010. 1 DVD (95 min), son., color.

MORIN, Edgar. Os sete saberes necessários à educação do futuro. São Paulo, Cortez; Brasília, DF: Unesco, 2001.

MORIN, Edgar. 1970. O cinema ou o homem imaginário: ensaios de antropologia. Lisboa: Moraes.

VALERY, Paul. 1948. Vues. Paris: La Table Ronde.

VOGLER, Christopher. 2015. A jornada do escritor: estrutura mítica para escritores. 3.ed. São Paulo: Aleph.


Resumen : 28 PDF : 28

Métricas de artículo

Cargando métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Copyright (c) 2019 Folios, revista de la Facultad de Comunicaciones

Esta publicación hace parte del Sistema de Revistas de la Universidad de Antioquia
¿Quieres aprender a usar el Open Journal system? Ingresa al Curso virtual
Este sistema es administrado por el Programa Integración de Tecnologías a la Docencia
Universidad de Antioquia
Powered by Public Knowledge Project