Agir jornalístico em cenários de crise humanitária: narrativas compreensivas orientadas para a pa

Tayane Abib

Resumen


Para além do modelo noticioso hegemônico, dedico-me a pensar caminhos narrativos para a cobertura jornalística em cenários de crise humanitária. Proponho, assim, aproximar os campos de estudo da compreensão e da comunicação para a construção de uma cultura de paz, de modo a sublinhar possibilidades de uma prática de reportagem dialógica e sensível aos contextos de homens e mulheres implicados em tais realidades. Buscando elucidar a reflexão, atento-me às narrativas do jornalista português Paulo Moura e do espanhol Bru Rovira para identificar, em seus registros sobre o continente africano, essa dinâmica de atuação.

Texto completo:

PDF

Referencias


BIONDI, Angie Gomes. 2013. Corpo sofredor: figuração e experiência no fotojornalismo. 220f. Tese (Doutorado em Comunicação Social) – Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Minas Gerais.

BUBER, Martin. 1982. Do diálogo e do dialógico. São Paulo: Perspectiva.

BUBER, Martin. 1949. Qué es el hombre?. México: Fondo de Cultura Económica.

CABRAL, Raquel; SALHANI, Jorge. 2017. Jornalismo para a paz: conceitos e reflexões. E-Compós, 20(3). Disponible en: [consultado el 18 dec. 2018].

CERTEAU, Michel. 1994. A invenção do cotidiano: artes de fazer. Petrópolis: Vozes.

GALTUNG, Johan. 1998. Tras la violencia, 3R: reconstrucción, reconciliación, resolución. Afrontando los efectos visiones e invisibles de la guerra y la violencia. Bilbao: editorial Bakeas.

GALTUNG, Johan. 1969. Violence, peace, and peace research. Journal of Peace Research, v. 6, n. 3, p. 167-191.

KLAUTAU, Carolina Moura. 2018. Jornalismo, incerteza e complementaridade de opostos: um diálogo compreensivo. 268 f. Dissertação (Mestrado em Comunicação) - Faculdade Cásper Líbero.

KRAMER, Mark. 2005. Prefácio. In: MOURA, Paulo. Passaporte para o céu. Portugal: Dom Quixote.

KRISTEVA, Julia. 1994. Estrangeiros para nós mesmos. Rio de Janeiro: Rocco.

KÜNSCH, Dimas. 2000. Maus pensamentos: os mistérios do mundo e a reportagem jornalística. São Paulo: Annablume; FAPESP.

KÜNSCH, Dimas. 2005. Comprehendo ergo sum: epistemologia complexo-compreensiva e reportagem jornalística. Communicare, São Paulo, v. 5, n. 1, p. 43-54.

KÜNSCH, Dimas. 2010. Comunicação e pensamento compreensivo: um breve balanço. In: KÜNSCH, Dimas A.; MARTINO, Luis M. S. (Orgs.). Comunicação, jornalismo e compreensão. São Paulo: Editora Plêiade.

LÉVINAS, Emmanuel. 1997. Entre nós: ensaios sobre a alteridade. Petrópolis, RJ: Vozes.

LYNCH, Jake; McGOLDRICK, Annabel. 2000. Peace Journalism – What is it? How to do it?. Disponible en: . [consultado el 20 jun. 2018].

LYNCH, Jake; McGOLDRICK, Annabel. 2007. Peace Journalism. In: WEBEL, Charles; GALTUNG, Johan. (Orgs.). Handbook of Peace and Conflict Studies. Nova York: Routledge, p. 248-264.

MAFFESOLI, Michel. 2010. O conhecimento comum: introdução à sociologia compreensiva. Porto Alegre: Sulina.

MARCONDES FILHO, Ciro. 2002. O espelho e a máscara: o enigma da comunicação no caminho do meio. Ijuí-RS: Editora Unijuí.

MARTINO, Luís Mauro Sá. 2010. O desafio epistemológico de compreender o outro. In: KÜNSCH, Dimas A.; MARTINO, Luis M. S. (Org.). Comunicação, jornalismo e compreensão. São Paulo: Editora Plêiade.

MARTINS, Carla. 2012. Paulo Moura à JJ: O jornalismo livre é uma espécie de orquídea que nasceu no asfalto. Jornalismo & Jornalistas, Lisboa, n. 52, p. 26-32. Disponible en: [consultado el 17 dec. 2018].

MEDINA, Cremilda. 2006. O signo da relação: comunicação e pedagogia dos afetos. São Paulo: Paulus.

MOREIRA, João. 2017. Paulo Moura: um olhar humano sobre o mundo. Revista Bica, Viseu, PT, n. 1, p. 116-124. Disponible en: [consultado el 17 dec. 2018].

MORIN, Edgar. 2002. Os sete saberes necessários à educação do futuro. 2. ed.. São Paulo: Cortez; Brasília, DF: Unesco.

MORIN, Edgar; WULF, Christoph. 2003. Planeta: a aventura desconhecida. São Paulo: Editora da Unesp.

MOURA, Paulo. 2005. Passaporte para o céu. Portugal: Dom Quixote, 2005.

RESTREPO, Luis Carlos. 1998. O direito à ternura. Petrópolis, RJ: Vozes.

ROVIRA, Bru. 2006. Áfricas: cosas que pasan no tan lejos. 2. ed. Barcelona: RBA Libros.

SALINAS, Alex. 2014. Periodismo y comunicación para la paz. Indicadores y marco regulatório. Revista Comunicación y Ciudadanía Digital – COMMONS, v. 3, n. 1, p. 57-92.

SODRÉ, Muniz. 2009. A narração do fato: notas para uma teoria do acontecimento. Petrópolis: Vozes.

SONTAG, Susan. 2003. Diante da dor dos outros. São Paulo: Companhia das Letras.

TUCHMAN, Gaye. 1972. A objectividade como ritual estratégico: uma análise das noções de objectividade dos jornalistas. American Journal of Sociology, Chicago, v. 77, n. 2.

VARGAS, Raúl Hernando Osorio. 2017. El reportaje como metodología del periodismo: una polifonía de saberes. Medellín: Editorial Universidad de Antioquia.

VENTURA, Mauro; ABIB, Tayane. 2015. A notícia como desacontecimento: possibilidades de inovação a partir das narrativas de Eliane Brum. Revista Comunicação Midiática (Online), Bauru/SP, V. 10, N. 3, p.135-150.

VICTOR, Cilene. 2016. Crise humanitária e refugiados da guerra e do clima: dos protocolos internacionais às narrativas jornalísticas. Líbero. São Paulo, v. 19, n. 37-A, p. 45-54. Disponible en: [consultado el 05 jul. 2018].

UNHCR. United Nations High Comissioner for Refugees. 2018. Global Trends – Forced Displacement in 2017. UNHCR. Disponible en: < http://www.unhcr.org/en-us/statistics/unhcrstats/5b27be547/unhcr-global-trends-2017.html> [consultado el 12 nov. 2018].


Resumen : 18 PDF : 24

Métricas de artículo

Cargando métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Copyright (c) 2019 Folios, revista de la Facultad de Comunicaciones

Esta publicación hace parte del Sistema de Revistas de la Universidad de Antioquia
¿Quieres aprender a usar el Open Journal system? Ingresa al Curso virtual
Este sistema es administrado por el Programa Integración de Tecnologías a la Docencia
Universidad de Antioquia
Powered by Public Knowledge Project