Desafios éticos e metodológicos em pesquisas sobre letramento do professor: provocações em busca de novos caminhos

Paula Baracat De Grande, Marília Curado Valsechi, Carolina Assis Dias Vianna

Abstract


Nosso objetivo é realizar um ensaio para discutir sobre os desafios éticos e metodológicos em pesquisas realizadas na área dos Estudos de Letramento, no campo da Linguística Aplicada, com base no desenho de pesquisas  realizadas no Grupo Letramento do Professor. Preocupado com a perspectiva ética no fazer investigativo, o campo dos Estudos de Letramento, em mais de duas décadas, tem se orientado a compreender e atuar em cenários nos quais a escrita (re)instaura tensões e conflitos que historicamente marginalizaram um grande contingente das populações latino-americanas. Na discussão dos aspectos éticos das pesquisas sobre letramento e formação do professor,  destacamos a importância da visibilização das relações de poder em cenários desiguais  de modo a contribuir para o fortalecimento de grupos sociais minoritarizados ou subalternizados, como professores em formação e, com isso, repensar o papel do pesquisador ao escolher investigar tais grupos.


Keywords


letramento do professor, ética, pesquisa

References


Barton, D.; Hamilton, M. (2000). Literacy practices. Em D. Barton, M. Hamilton e R. Ivanic, Situated literacies: Reading and writing in context. Lôndres e Nova Iorque: Routledge.

Bazarim, M. (2008). Metodologias de pesquisa aplicadas ao contexto de ensinoaprendizagem de línguas. Congresso Nacional de Lingüística e Filologia, 12, 93-102, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Cardoso, M. (2013). Etnografia entre “éticas”: ética e pesquisa com populações indígenas. Em C. Sarti, L. F. D. Duarti (Orgs.), Antropologia e ética: desafios para a regulamentação (pp. 131-171). Brasília: ABA.

Celani, M. A. A. (1992). Afinal, o que é Linguística Aplicada? Em M. S. Z. Paschoal, M. A. A. Celani, (Orgs.), Linguística Aplicada: da aplicação da linguística à linguística transdisciplinar (pp. 15-23). São Paulo: EDUC.

Erickson, F. (1990). Qualitative methods. Em L. Linn Robert L. Linn e Frederick Erickson (Orgs.), Qualitative methods (vol. 2). Nova Iorque: Macmillan.

Fabrício, B. F. (2006). Lingüística Aplicada como espaço de desaprendizagem: redescrições em curso. Em L. P. Moita-Lopes, (Org.), Por uma Linguística Aplicada indisciplinar. São Paulo: Parábola Editorial.

Garcez, P. M. (2015). Regulamentação ética em pesquisa com seres humanos específica para as Ciências Humanas e Sociais no âmbito do Ministério da Saúde do Brasil: descaso, desconhecimento, confronto, diálogo e ruptura. Disponível em: <>.

Garcez, P. M. e Schulz, L. (2015). Olhares circunstanciados: etnografia da linguagem e pesquisa em Linguística Aplicada no Brasil. DELTA, 31-especial, 1-34.

Heath, S. B. (1982). What no bedtime story means: narrative skills at home and

school. Language and Society, (11), 49-76.

Kleiman, A. (1992). O ensino de línguas no Brasil. Em A. A. Celani e M. Z. Paschoal, (Orgs.), Lingüística Aplicada: da aplicação da lingüística à lingüística transdiciplinar (pp. 25-36). São Paulo, S. P.: Cortez.

Kleiman, A. (1995). Modelos de letramento e as práticas de alfabetização na escola. Em A. Kleiman, Os significados do letramento. Campinas, SP: Mercado de Letras.

Kleiman, A. (2002). A interface de questões éticas e metodológicas na pesquisa em Linguística Aplicada. Em D. E. G. Da Silva, e J. A. Vieira, (Orgs.), Análise do discurso: percursos teóricos e metodológicos (pp. 187-202). Brasília: UNB, Plano.

Kleiman, A. (2006). Professores e agentes de letramento: identidade e posicionamento social. Revista Filologia e Linguística Portuguesa, (8), São Paulo.

Kleiman, A. (2009). Projetos dentro de projetos: ensino-aprendizagem da escrita na formação de professores de nível universitário e de outros agentes de letramento. Scripta, 13(24), 17-30.

Kleiman, A. (2013). Agenda de pesquisa e ação em Linguística Aplicada: problematiza-

ções. Em L. P. Moita Lopes, Linguística Aplicada na modernidade recente:

festschrift para Antonieta Celani. São Paulo: Parábola.

Kleiman, A., Vianna, C., e De Grande, P. B. (2013). “Sem querer ir contra pessoas tão ilustres...”: construção e negociação identitárias do professor entre

discursos de (des)legitimação. Scripta, 17(32).

Kleiman, A. e De Grande, P. B. (2015). Interseções entre a linguística aplicada e os estudos de letramento: desenhos transdisciplinares, éticos e críticos de

pesquisa. Matraga, 22(36).

Moita Lopes, L. P. (Pesquisa interpretativista em Lingüística Aplicada: a linguagem como condição e solução. Delta, 10(2), 329-338.

Moita Lopes, L. P. (2006). Uma Linguística Aplicada mestiça e ideológica. Interrogando o campo aplicado como linguista aplicado. Em L. P. Moita Lopes (Org.), Por uma Linguística Aplicada indisciplinar. São Paulo: Parábola.

Paiva, V. L. M. (2005). Reflexões sobre ética e pesquisa. Rev. Brasileira de Linguística Aplicada, 5(1), 45-61.

Rojo, R. (2013). Caminhos para a LA: política linguística, política e globalização. Em

C. Nicolaides, K. A. Silva, R. Tilio e C. Hilsdorf, (Orgs.), Política e políticas

linguísticas. Campinas, SP: Pontes.

Sarti, C., Duarti, L. F. D. (Orgs.) (2013). Antropologia e ética: desafios para a regulamentação. Brasília: ABA.

Souza, A. L. S. (2010). Letramentos de reexistência: culturas e identidades no movimento hip-hop. Tese de doutorado, Linguística Aplicada, Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

Street, B. (1984). Literacy in theory and practice. Cambridge: Cambridge University

Press.

Street, B. (1993). The new literacy studies. Em B. Street (Org.), Cross-cultural approaches to literacy. Cambridge: Cambridge University Press.

Tardif, M. (2003). Saberes docentes e formação profissional (3.a ed). Petrópolis, RJ: Vozes.

Valsechi, M. C., Sito, L. S., De Grande, P. B., Pereira, S. L., Vianna, C. S. D. (2014). Legitimação dos participantes e rompimento de assimetrias: contribuições do grupo letramento do professor para o campo dos estudos de letramento. Em Anais do 5º Colóquio Internacional Letramento e Cultura Escrita. Belo Horizonte, MG.

Valsechi, M. C. (2016). Afinal, o que é o estágio supervisionado? De labirinto a entrelugar: o estágio proposto pela universidade na visão dos estagiários. Tese de doutorado. Linguística Aplicada, Instituto de Estudos da Linguagem. Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

Volochinov, V. N. ([1929]2002). Marxismo e filosofia da linguagem. São Paulo: Hucitec.

Vóvio, C. L., Souza, A. L. S. (2005). Desafios metodológicos em pesquisas sobre letramento. Em A. Kleiman, M. L. Matencio, (Orgs.). Letramento e formação do professor: práticas discursivas, representações e construção do saber (pp. 41-64). Campinas: Mercado de Letras.

Vóvio, C. L. (2007). Entre discursos: sentidos, práticas e identidades leitoras de alfabetizadores de jovens e adultos. Tese de doutorado, Linguística Aplicada. Instituto de Estudos da Linguagem. Universidade Estadual de Campinas, Campinas.




DOI: https://doi.org/10.17533/udea.ikala.v24n02a08 Abstract : 98 PDF (Português (Brasil)) : 61

Article Metrics

Metrics Loading ...

Metrics powered by PLOS ALM


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Esta publicación hace parte del Sistema de Revistas de la Universidad de Antioquia
¿Quieres aprender a usar el Open Journal system? Ingresa al Curso virtual
Este sistema es administrado por el Programa Integración de Tecnologías a la Docencia
Universidad de Antioquia
Powered by Public Knowledge Project