A tradução do humor no processo tradutório para legendas da série brasileira “A Diarista”

Fernanda Silveira Boito, Mariane Oliveira Caetano

Resumen


Este artigo centra-se na análise da tradução do humor de um capítulo da série brasileira “A Diarista”, produzida pela Rede Globo de televisão, e propõe refletir sobre o processo tradutório enquanto reconstrução na tradução para legendas, trabalhando no par de línguas português-inglês. Ao considerar os desafios que envolvem este trabalho – por exemplo, a tradução de linguagem oral em texto escrito, restrições pré-estabelecidas de caracteres e tempo de exibição das legendas, multitarefas para o telespectador – e o trabalho criativo que envolve a tradução do humor, este ensaio examinará e discutirá as influências destes fatores no produto final de uma tradução para legendas que envolve conteúdo humorístico. Para tanto, foram selecionados excertos do episódio que constituem desafios para o sujeito tradutor que precisa, quase sempre, domesticar o texto traduzido (Venuti, 2002), inserindo-o em um curto espaço de exibição e tendo que dominar softwares específicos de tradução. A tradução para legendas do capítulo da série “A Diarista” foi realizada pelas autoras do texto durante a disciplina de Estágio Curricular Supervisionado I do curso de Bacharelado em Tradução da Universidade Estadual de Maringá (UEM). Este trabalho fundamenta-se, principalmente em Rosas (2002), Arrojo (2003) e Venuti (2002) e considera que a tradução de séries humorísticas para legendas sempre envolverá assimilação doméstica do texto estrangeiro e um trabalho de recriação por parte do tradutor.

Fecha de recepción: 17/05/2017

Fecha de aceptación: 16/03/2018

¿Cómo citar este artículo?
Boito, F.S. y Caetano, M.O.  (2018). A tradução do humor no processo tradutório para legendas da série brasileira “A Diarista”. Mutatis Mutandis11(1), 126-144


Palabras clave


Série brasileira, tradução do humor, legenda.

Texto completo:

PDF

Referencias


Arrojo, R. (1993). Tradução, desconstrução e psicanálise. Rio de Janeiro: Imago.

Arrojo, R. (2003). Oficina de Tradução - A Teoria na Prática. (4ª ed). São Paulo: Editora Ática.

Bakthin, M. (1997). Estética da criação verbal. Os gêneros do discurso. (2ª ed). São Paulo: Martins Fontes.

Boito, F. S. (2013). Legendagem e o processo tradutório: uma abordagem discursivo-desconstrucionista da tradução para legendas do documentário “Lixo Extraordinário” [Dissertação (Mestrado) ]. Universidade Estadual de Maringá, Maringá.

Coracini, M. J. (2010). A memória em Derrida: uma questão de arquivo e de sobre-vida. Cadernos de Estudos Culturais, 2 (4), 125-136.

Derrida, J. & Roudinesco, E. (2004). Escolher sua herança. (A. Telles, trad.). Em J. Derrida & E. Roudinesco, De que amanhã: diálogo (pp. 9-47). Rio de Janeiro: Zahar.

Dicionário online informal, 31 jan. 2017. Disponível em: dicionarioinformal.com. Acesso em: 31/01/2017.

Gorovitz, S. (2006). Os labirintos da tradução: a legendagem cinematográfica e a construção do imaginário. Brasília: Editora Universidade de Brasília.

Hall, S. (2015). A identidade cultural na pós-modernidade (12ª ed). (T. T. da Silva & G. Lopes Louro, trads.). Rio de Janeiro: Lamparina.

Jabak, O. (2008). Why is translation into the mother tongue more successful than into a second language? Disponível em:

http://www.translationdirectory.com/articles/article1508.php Acesso em 31/01/2017 às 14:49.

Nida, E. A. (1964). The role of the translator. Em E. A. Nida, Toward a science of translating (p. 145-155). Leiden, Holand: Brill.

Rosas, M. (2002). Tradução de Humor – Transcriando piadas. Rio de Janeiro: Editora Lucerna.

Schleiermacher, F. D. E. (2010). Sobre os Diferentes Métodos de Tradução (C. R. Braida, trad.). Em W. Heidermann (Org.), Clássicos da Teoria da Tradução. Alemão – Português (Vol. 1, p. 38-100). Florianópolis: UFSC.

Venuti, L. (2002). Escândalos da Tradução. Bauru: EDUSC.

Vermeer, H. J. (1985). Esboço de uma teoria de tradução. Lisboa.




DOI: https://doi.org/10.17533/udea.mut.v11n1a06 Resumen : 551 PDF : 215

Métricas de artículo

Cargando métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Copyright (c) 2018 Mutatis Mutandis

Esta publicación hace parte del Sistema de Revistas de la Universidad de Antioquia
¿Quieres aprender a usar el Open Journal system? Ingresa al Curso virtual
Este sistema es administrado por el Programa Integración de Tecnologías a la Docencia
Universidad de Antioquia
Powered by Public Knowledge Project