Conexões entre discussões do campo de políticas afirmativas e dos estudos de letramento acadêmico: uma aposta em compreensão desde estratégias de estudantes cotistas

Luanda Sito

Resumen


Neste artigo, apresento as motivações que levaram a construção das perguntas de uma pesquisa de doutorado (em desenvolvimento) sobre letramento acadêmico. Na América Latina, o século xxi iniciou com a exigência e a implementação de políticas de ações afirmativas no ensino superior, com o objetivo de abrir suas portas a estudantes advindos de grupos historicamente marginalizados física e culturalmente do espaço acadêmico. Contudo, esse ingresso mediado por políticas de ação afirmativa tem gerado polêmica no meio político e acadêmico: para alguns, os estudantes que ingressassem por ação afirmativa não teriam capacidade para lidar com as demandas acadêmicas; para outros, ao contrário, esses estudantes não só teriam sucesso em sua formação como seriam capazes de romper com os discursos hegemônicos e propor novas formas de produção de conhecimento. Nesse contexto, o propósito da pesquisa é analisar oito trajetórias de elaboração de trabalhos de conclusão de curso de universitários(as) que ingressaram por políticas afirmativas em duas universidades públicas. Nosso relato expõe os pressupostos teóricos que subjazem a este objetivo.

Referencia
Sito, L. (2015). Conexões entre discussões do campo de políticas afirmativas e dos
estudos de letramento acadêmico: uma aposta em compreensão desde estratégias
de estudantes cotistas. Revista Educación y Pedagogía, 27(69-70), 15-22.


Original recibido: 22/11/14
Aceptado: 30/04/15

 


Palabras clave


aações afirmativas, ensino superior, letramento acadêmico

Texto completo:

PDF

Referencias


Canagarajah, A. S. (1997). Safe houses in the contact zone: coping strategies of african-american students in the academy, College Composition and Communication, 48(2), 173-196.

Carlino, P. (2005). Escribir, leer y aprender en la universidad. Una introducción a la alfabetización académica. Buenos Aires: Fondo de Cultura Económica de Argentina S. A.

Carvalho, J. J. (2004). Inclusão Étnica e Racial no Brasil. A questão das cotas no ensino superior. São Paulo: Attar.

Cavalcanti, M. C. (2006). Um olhar metateórico e metametodológico em pesquisa em Linguística Aplicada: implicações éticas e políticas. In L. P. Moita Lopes (Ed.),

Por uma linguística indisciplinar (pp. 233-252). São Paulo: Parábola.

Fry, P. et alli (eds.). (2007). Divisões perigosas: políticas raciais no Brasil contemporâneo. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Góngora, M. (2014). Geopolíticas de la identidad: La difusión de acciones afirmativas en los Andes, Universitas Humanística, (77), 35-69.

Hall, S. (2003). Da diáspora: identidades e mediações culturais.Trad. Liv Sovik. Belo Horizonte: UFMG.

Heath, S. B. (1982). What no bedtime story means: narrative skills at home and school, Language and Society, (11), 49-76.

Kamel, L. (2006). Não somos racistas. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

Kleiman, A. (1995). Modelos de letramento e as práticas de alfabetização na escola. In A. Kleiman (Ed.), Os significados do letramento: uma nova perspectiva sobre a prática social da escrita (pp. 15-61). Campinas, SP: Mercado Aberto.

Kleiman, A. (1998). A construção de identidades em sala de aula: um enfoque interacional. In I. Signorini (Ed.), Língua(gem) e identidade. Elementos para uma discussão no campo aplicado (pp. 267-302). Campinas, SP: Mercado de Letras.

Kleiman, A. (2010). Trajetórias de acesso ao mundo da escrita: relevância das práticas não escolares de letramento para o letramento escolar, Perspectiva, 28(2), 375-400.

Lea, M. R. e Street, B. (1998). Student writing in higher education: an academic literacies approach, Studies in Higher Education, 23(2), 157-168.

Lea, M. R. e Street, B. (2006). The “Academic Literacies” Model: Theory and Applications, Theory Into Practice, 45(4), 368-377.

Lillis, T. e Scott, M. (2007). Defining academic literacies research: Issues of epistemology, ideology and strategy, Journal of Applied Linguistics (JAL), 4(1), 5-32. Disponível em: http://dx.doi.org/doi:10.1558/japl.v4i1.5.

Matencio, M. L., Silva, J. Q. G. e Assis, J. A. (2000). Explorando as representações do texto escrito. Scripta, 4(7), 125-140.

Moita Lopes, L. P. (ed.). (2006). Por uma lingüística indisciplinar. São Paulo: Parábola.

Rama, A. (1984). A cidade das letras. SP: Editora Brasiliense S.A.

Santos, B. S. (2005). A Universidade no século xxi: para uma reforma democrática e emancipatória da Universidade. São Paulo: Cortez.

Santos, J. T. (Ed.) (2012). Cotas nas universidades: análises dos processos de decisão. Salvador: CEAO.

Santos, J. T. (Ed.) (2013). O impacto das cotas nas universidades brasileiras (2004-2012). Salvador: CEAO.

Silva, J. (2003). “Por que uns e não outros?”: caminhada de jovens pobres para a universidade. Rio de Janeiro: Sette Letras.

Silva Jr., H. (2002). Direito de igualdade racial: aspectos constitucionais, civis e penais: doutrina e jurisprudência. São Paulo: Juarez de Oliveira.

Silva, P. e Silvério, V. (Ed.) (2003). Educação e ações afirmativas: entre a injustiça simbólica e a injustiça econômica. Brasília: INEP.

Soares, M. (1986). Linguagem e escola: uma perspectiva social. São Paulo: Ática.

Souza Lima, A.C. (2008). Educación Superior para Indígenas en el Brasil: más allá de los cupos, Vibrant – Virtual Brazilian Anthropology, 5(1), 83-110.

Street, B. (1984). Literacy in theory and practice. Cambridge: Cambridge University Press.

Street, B. (1993). The New Literacy Studies. In B. Street (Ed.), Cross-cultural approaches to literacy. Cambridge: Cambridge University Press.

Street, B. (2010). Dimensões “escondidas” na escrita de artigos acadêmicos, Perspectiva, 28(2), 541-567. Disponível em: http://www.periodicos.ufsc.br/index.php/perspectiva/article/view/2175-795X.2010v28n2p541/pdf.

Vóvio, C. L. e Souza, A. L. S. (2005). Desafios metodológicos em pesquisas sobre letramento. In A. B. Kleiman e M. Práticas discursivas, representações e construção do saber (pp. 41-64). SP: Mercado de Letras.

Zavala, V. (2010). Quem está dizendo isso?: letramento acadêmico, identidade e poder no ensino superior. In C. L. Vóvio, L. S. Sito e P. B. De Grande (Eds.), Letramentos: rupturas, deslocamentos e repercussões de pesquisas em Linguística Aplicada (pp. 71-95). Campinas: Mercado de Letras.

Zavala, V. (2011). La escritura académica y la agencia de los sujetos, Cuaderno comillas, (1), 52-66.

Zavala, V. e Córdova, G. (2010). Decir y callar. Lenguaje, equidad y poder en la Universidad peruana. Lima: Editorial de la Pontificia Universidad Católica del Perú.


Resumen : 8 PDF : 11

Métricas de artículo

Cargando métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Esta publicación hace parte del Sistema de Revistas de la Universidad de Antioquia
¿Quieres aprender a usar el Open Journal system? Ingresa al Curso virtual
Este sistema es administrado por el Programa Integración de Tecnologías a la Docencia
Universidad de Antioquia
Powered by Public Knowledge Project