Documento sin título

ARTÍCULO ORIGINAL / ORIGINAL ARTICLE / ARTIGO ORIGINAL

 

Diagnósticos de enfermagem e problemas adaptativos em renais crônicos

 

Nursing diagnoses and adaptation problems among chronic renal patients

 

Diagnósticos de enfermería y problemas adaptativos en pacientes renales crónicos

 

 

Cecília Maria Farias de Queiroz Frazão1; Ana Beatriz de Almeida Medeiros2; Maria das Graças Mariano Nunes de Paiva3; Bertha Cruz Enders4; Marcos Venícios de Oliveira Lopes5; Ana Luisa Brandão de Carvalho Lira6

 

1Enfermeira, Doutoranda. Universidade Federal do Rio Grande do Norte –UFRN-. Natal, Rio Grande do Norte, Brasil. email: ceciliamfqueiroz@gmail.com.

2Enfermeira, Doutoranda. UFRN. Natal, Rio Grande do Norte, Brasil. email: abamedeiros@gmail.com.

3Enfermeira, Mestranda. UFRN. Natal, Rio Grande do Norte, Brasil. email: gracinhamariano@hotmail.com.

4 Enfermeira, Doutora. UFRN. Natal, Rio Grande do Norte, Brasil. email: bertha@ufrnet.br.

5Enfermeiro, Doutor. Universidade Federal do Ceará. Fortaleza, Ceará, Brasil. email: marcos@ufc.br.

6Enfermeira, Doutora. UFRN. Natal, Rio Grande do Norte, Brasil. email: analuisa_brandao@yahoo.com.br.

 

Fecha de Recibido: Julio 23, 2014. Fecha de Aprobado: Noviembre 4, 2014.

 

Artículo vinculado a investigación: Diagnósticos de enfermagem em pacientes em hemodiálise: semelhanças entre o modelo de Adaptação e NANDA Internacional.

Subvenciones: Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (MCT/CNPq 14/2010), Processo 483285/2010-2.

Conflicto de intereses: Ninguno.

Cómo citar este artículo: Frazão CMFQ, Medeiros ABA, Paiva MGMN, Enders BC, Lopes MVO, Lira ALBC. Nursing diagnoses and adaptation problems among chronic renal patients. Invest Educ Enferm. 2015; 33(1): 119-127.

 

DOI: 10.17533/udea.iee.v33n1a14

 


RESUMO

Objetivo. Identificar as semelhanças entre os diagnósticos de enfermagem da NANDA Internacional e os problemas de adaptação de Roy em pacientes renais crônicos em hemodiálise. Metodologia. Estudo transversal e descritivo com amostra de 178 indivíduos, selecionados por amostragem de conveniência consecutiva, em um centro de diálise localizado no nordeste do Brasil. O estudo foi realizado nos meses de outubro/2011 a fevereiro/2012. Os instrumentos de coleta de dados foram formulários de entrevista e exame físico. Resultados. Houve semelhança entre 20 diagnósticos de enfermagem e 22 problemas adaptativos. E os modos adaptativos de Roy que apresentaram essas relações foram: fisiológico, autoconceito e desempenho de papéis. Conclusão. Há semelhança entre as duas tipologias estudadas.  Outrossim, o uso do processo de enfermagem, sob o contexto de uma teoria própria da área subsidia a assistência e fortalece o conhecimento científico da profissão.

Palavras chave: enfermagem; cuidados de enfermagem; diagnóstico de enfermagem; teoria de enfermagem; diálise renal


ABSTRACT

Objective. To identify similarities between NANDA International nursing diagnoses and Roy’s adaptation model among chronic renal patients undergoing hemodialysis. Methodology. Cross-sectional and descriptive study with 178 individuals selected, through consecutive convenience sampling, in a dialysis center located in the Northeast of Brazil. The study was conducted between October 2011 and February 2012. Data collection instruments included an interview form and a physical assessment. Results. Similarity was found between 20 nursing diagnoses and 22 adaptation problems. Roy’s adaptation modes that presented these relationships were: physiological, self-conception and role function. Conclusion. There are similarities between the two typologies. Furthermore, the use of the nursing process from the perspective of a theory inherent to the field supports care delivery and strengthens scientific knowledge in the profession.

Key words: nursing; nursing care; nursing diagnosis; nursing theory; renal dialysis.


RESUMEN

Objetivo. Identificar las semejanzas entre los diagnósticos de enfermería de NANDA Internacional y los problemas de adaptación de Roy en pacientes renales crónicos con hemodiálisis. Metodología. Estudio transversal de tipo descriptivo en una  muestra por conveniencia de 178 individuos  de un centro de diálisis localizado en el nordeste de Brasil. El estudio se realizó entre los meses de octubre de 2011 a febrero de 2012. El instrumento de recolección de la información incluyó datos de la entrevista y del examen físico. Resultados. Hubo semejanza entre los 20 diagnósticos de enfermería y los 22 problemas adaptativos detectados. Los modos adaptativos de Roy que presentaron esas relaciones fueron: fisiológico, autoconcepto y el desempeño de roles. Conclusión.Hay similitudes entre las dos tipologías estudiadas. Además, el uso del proceso de enfermería en el contexto de una teoría propia enriquece el cuidado y fortalece el conocimiento científico de la profesión.

Palabras clave: enfermería; atención de enfermería; diagnóstico de enfermería; teoría de enfermería; diálisis renal.


 

INTRODUÇÃO

No Brasil e no mundo, a doença renal crônica (DRC) tem aumentado progressivamente a cada ano em proporções epidêmicas, constituindo um problema de saúde pública. No ano de 2010, o número estimado de indivíduos com DRC em tratamento dialítico no Brasil foi de aproximadamente 92 091.1 A DRC é caracterizada pela presença de danos renais (anormalidades estruturais ou funcionais do rim), associada ou não à redução da taxa de filtração glomerular (TFG) <60ml/min/1.73m2, em um tempo maior ou igual a três meses.2 A categoria mais avançada dessa doença é a insuficiência renal terminal. Nessa fase, os rins perdem o controle da homeostasia, a TFG está abaixo de 15 ml/min/1.73m2 e o indivíduo apresenta intensamente sintomas urêmicos, tais como anemia, hipertensão arterial, edema, fraqueza, mal-estar e sintomas digestivos.3 Para manutenção da vida destes indivíduos é necessária a realização de uma modalidade da terapia renal substitutiva como a diálise peritoneal, a hemodiálise (HD) ou o transplante renal.

Dentre as opções de tratamento dialítico, a HD se destaca em termos quantitativos no Brasil, já que cerca de 90% dos indivíduos em terapia substitutiva da função renal realizam essa modalidade.1 A hemodiálise se caracteriza pela circulação extracorpórea do sangue da pessoa, para que sejam removidas as substâncias nitrogenadas tóxicas e o excesso de líquidos acumulado nos tecidos. O sangue é obtido de acessos vasculares e é impulsionado por uma bomba para uma circulação extracorpórea onde se localiza um dialisador, no qual é filtrado, e em seguida devolvido ao indivíduo.4 Geralmente esse tratamento é realizado três vezes por semana, em sessões com duração média de quatro horas. Nesse contexto, o enfermeiro tem um importante papel na monitoração, apoio, avaliação e educação, identificando as necessidades individuais de cada cliente e proporcionando meios de prestação de serviço que visem melhor adaptação ao tratamento. Dessa forma, torna-se fundamental nesse setor a implantação do processo de enfermagem (PE), segundo um referencial teórico próprio da profissão.

O PE é um instrumento de que o enfermeiro dispõe para a organização do cuidar, diferenciando sua prática da dos demais profissionais de saúde. Essa metodologia exerce influência na qualidade do cuidado, visto que, executada de forma sistemática e deliberada, define as necessidades do indivíduo, orienta a assistência e documenta os resultados obtidos com a intervenção executada.5 Para tanto, o enfermeiro necessita conhecer as fases do PE e os sistemas de classificação dos elementos da prática de enfermagem, com o intuito de promover um cuidado de maior qualidade e uma padronização da linguagem profissional. Dentre os sistemas de classificação dos diagnósticos de enfermagem, a NANDA Internacional é um dos mais divulgados e aplicados em âmbito mundial.5 Em apoio aos sistemas de classificação, teorias vêm contribuindo para o desenvolvimento do conhecimento de enfermagem e o fortalecimento da prática. Dentre elas, destaca-se o modelo teórico de adaptação, elaborado por Sister Callista Roy, a qual considera a pessoa como um sistema holístico adaptativo, que emite respostas adaptativas ou ineficientes que podem ser observadas em quatro modos: fisiológico, autoconceito, desempenho de papéis e interdependência.6

Assim, aprofundar os conhecimentos acerca de referenciais teóricos que norteiem a assistência de enfermagem ao renal crônico e que favoreçam sua adaptação ao tratamento torna-se necessário, pois essa clientela vivencia várias alterações no seu estilo de vida, ocasionadas pela restrição hídrica e alimentar, pelo esquema medicamentoso contínuo e pela dependência do tratamento para a manutenção de sua vida. Nesse contexto, acredita-se que o modelo teórico da Adaptação de Roy guiará os cuidados de enfermagem aos indivíduos em hemodiálise, na tentativa de proporcionar meios de cuidar destas pessoas, ajudando-as a se manterem adaptadas e integradas. Ressalta-se, também, que a utilização de teorias de enfermagem, como a escolhida para o estudo, significa um esforço de validação de teorias de enfermagem, de organização do trabalho do enfermeiro, de produção de conhecimento e de uso de uma linguagem própria da profissão. Bem como, associar uma teoria com uma taxonomia de diagnósticos de enfermagem implica em uma análise crítica em busca de proporcionar ações que abordam um conjunto organizado e coerente de conceitos e proposições sobre os fenômenos de enfermagem.  Diante do exposto, o estudo objetivou identificar as semelhanças entre os diagnósticos de enfermagem da NANDA Internacional e os problemas de adaptação de Roy em renais crônicos em hemodiálise.

 

METODOLOGIA

Tratou-se de um estudo transversal e descritivo, realizado em um centro clínico de referência em diálise, localizado numa cidade do nordeste do Brasil. Estudos transversais são aqueles em que as variáveis são identificadas em único momento de tempo e as relações entre as mesmas são determinadas. E pesquisas descritivas permitem ao pesquisador conhecer e descrever as características de um grupo pretendendo abordá-las detalhadamente.7 A população foi composta por 330 indivíduos cadastrados, regularmente acompanhados e submetidos à hemodiálise na referida clínica. A amostra foi de 178 indivíduos, determinada a partir da aplicação da fórmula para populações finitas8 e que levou em consideração o nível de confiança de 95% (Z=1.96), o erro amostral (5%), o tamanho da população (330) e a prevalência em termos dos problemas de adaptação da Roy. Por não se ter encontrado um estudo que estimasse a prevalência de problemas de adaptação da Roy de pessoas com DRC, considerou-se um valor conservador de 50% para a prevalência. A composição da amostra se deu por amostragem de conveniência do tipo consecutiva. Essa amostragem é do tipo não probabilística, em que o pesquisador seleciona os elementos a que tem acesso, admitindo que estes possam, de alguma forma, representar o universo.9

Os critérios de inclusão foram: apresentar diagnóstico médico de doença renal crônica; estar cadastrado e submetido à hemodiálise na referida clínica; idade entre 20 a 65 anos; e estar em condições físicas e mentais adequadas para participar da pesquisa no momento da coleta de dados. E o de exclusão foi: renais crônicos com outras doenças não relacionadas ao quadro renal que pudessem alterar o perfil das respostas humanas desses indivíduos. A coleta de dados ocorreu nos meses de outubro de 2011 a fevereiro de 2012, através de um formulário de entrevista e um de exame físico, construídos com base na NANDA Internacional e nos modos adaptativos de Roy. Primeiramente, realizou-se um pré-teste com 10% da amostra, para avaliar o instrumento em sua aplicabilidade e verificar a necessidade de alterações. Não houve a necessidade de adaptações no instrumento, logo os indivíduos que participaram do pré-teste foram inclusos na amostra do estudo.

Para a análise dos dados, utilizou-se um processo individual de julgamento clínico das respostas dos indivíduos segundo a NANDA Internacional e dos problemas adaptativos de acordo com Roy, os quais foram operacionalizados mediante duas fases: análise (categorização dos dados e identificação de lacunas) e síntese (agrupamento, comparação, identificação e relação dos fatores etiológicos).10 O referido processo de julgamento clínico dos diagnósticos e dos problemas adaptativos foi realizado pelos pesquisadores e resultou com dupla digitação dos rótulos diagnósticos, as características definidoras, os fatores relacionados ou de risco, os problemas adaptativos, os estímulos e os comportamentos. A seguir, os resultados foram organizados em quadros e passaram por processo de revisão de forma pareada entre os autores, para assegurar um julgamento consensual, objetivando, assim, maior acurácia diagnóstica. Neste momento, a semelhança foi estabelecida conforme a definição dada pela teórica aos problemas adaptativos e a definição dos diagnósticos contidos na Taxonomia da NANDA Internacional.

Em seguida, os dados foram compilados e analisados por meio do programa estatístico SPSS (Statistical Package for the Social Sciences) versão 20.0 for Windows, gerando estatísticas descritivas e o valor p do teste de normalidade Kolmogorov-Smirnov, com intuito de verificar se a distribuição dos dados segue uma distribuição normal ou não normal. Respeitando os aspectos éticos, esta pesquisa foi aprovada pelo Comitê de Ética em Pesquisa (Protocolo nº 115/11), com certificado de apresentação para apreciação ética (no 0139.0.051.000-111) e os indivíduos assinaram o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido, respeitando os ditames da resolução 466/2012, que versa sobre pesquisas envolvendo seres humanos. Destaca-se também que o estudo recebeu financiamento do edital universal do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (MCT/CNPq 14/2010), Processo 483285/2010-2.

 

RESULTADOS

Os resultados revelaram que 52.2% dos indivíduos eram do sexo masculino e a média de idade de 46.6 anos (±12.3).  Em relação ao estado civil, 62.9% tinham companheiros. A respeito da religiosidade, 69.1% eram praticantes. A renda familiar variou de um a 30 salários mínimos, estando a maioria (92.1%) com apenas um salário mínimo (considerou-se o valor de R$ 622.00 como o salário mínimo do período da pesquisa). E, quanto à escolaridade, apresentaram média de 8.5 anos de estudo (±4.8). Em relação aos dados de hemodiálise, o tempo de realização dessa terapia variou de 4 a 252 meses, sendo a média de 72.7 meses (±62.4), ou seja, 6 anos. E o acesso vascular predominante foi a fístula arteriovenosa (93.8%).

Para os diagnósticos de enfermagem, a média por indivíduo foi de 6.6±2,3, mediana de 7, valor mínimo de 3 e máximo de 15. O valor do teste de Kolmogorov-Smirnov evidenciou uma distribuição assimétrica (p<0.001). E o total dos diagnósticos foi de 24, a saber: Risco de Infecção (100%); Volume de líquidos excessivo (99.4%); Hipotermia (61.8%); Fadiga (47.2%); Autocontrole ineficaz da saúde (42.7%); Dentição prejudicada (38.2%); Risco de quedas (37.1%); Mobilidade física prejudicada (35.4%); Disfunção sexual (28.7%); Percepção sensorial perturbada: visual (28.1%); Insônia (25.3%); Conhecimento deficiente (18.5%); Dor Crônica (15.7%); Percepção sensorial perturbada: auditiva (15.2%); Proteção ineficaz (12.9%); Baixa autoestima situacional (12.4%); Dor Aguda (11.2%); Déficit no autocuidado para vestir-se (11.2%); Integridade da pele prejudicada (6.7%); Constipação (5.6%); Risco de Lesão (2.8%); Percepção sensorial perturbada: tátil (2.8%); Nutrição desequilibrada: menos do que as necessidades corporais (1.1%); e Diarreia (1.1%).

Para os problemas adaptativos, a média por indivíduo foi de 6.4 (±2.3), mediana de 6, valor mínimo de 2 e máximo de 13. O valor do teste de Kolmogorov-Smirnov revelou uma distribuição assimétrica (p<0.001). E o total foi de 22 problemas adaptativos, a saber: Retenção de líquido intracelular (99.4%); Hipercalemia (64.6%); Hipotermia (61.8%); Edema (53.9%); Intolerância à atividade (47.2%); Falha no papel (42.7%); Potencial para lesão (37.1%); Mobilidade andar e/ou coordenação restritos (35.4%); Hipocalcemia (34.8%); Disfunção sexual (28.7%); Deficiência de um sentido primário: visão (28.1%); Privação do sono (25.3%); Dor Crônica (15.7%); Deficiência de um sentido primário: audição (15.2%); Baixa autoestima (12.4%); Dor Aguda (11.2%); Perda de habilidade de autocuidado (11.2%); Integridade da pele prejudicada (6.7%); Constipação (5.6%); Deficiência de um sentido primário: tátil (2.8%); Nutrição menor que as necessidades do organismo (1.1%); e Diarreia (1.1%).

A respeito da relação entre a Taxonomia II da NANDA Internacional e o modelo teórico de Adaptação, identificou-se uma semelhança entre 20 diagnósticos de enfermagem e 22 problemas adaptativos. Restando apenas quatro diagnósticos de enfermagem (Risco de infecção; Dentição prejudicada; Conhecimento deficiente e Proteção ineficaz) sem estabelecer relação com os problemas adaptativos de Roy.

A Tabela 1 apresenta a relação de semelhança dos diagnósticos de enfermagem da NANDA Internacional com os problemas adaptativos da Roy verificados na amostra.

Tabela 1. Relação de semelhança dos diagnósticos de enfermagem da NANDA Internacional e os problemas adaptativos da Roy nos indivíduos submetidos à hemodiálise. Natal, 2012

Percebe-se, na Tabela 1, que os DEs identificados estavam presentes em nove domínios da Taxonomia II da NANDA Internacional. E que os domínios que apresentaram o maior número de diagnósticos contemplados foram: Segurança/Proteção e Atividade/Repouso. Assim como, que os problemas adaptativos de Roy que apresentaram semelhanças com os DEs da NANDA Internacional pertenciam aos modos fisiológico, autoconceito e desempenho de papéis.

 

DISCUSSÃO

Nesta secção serão discutidos os dados da caracterização sociodemográfica e a relação de semelhança dos diagnósticos de enfermagem da NANDA Internacional acima da frequência relativa de 50% com os problemas adaptativos propostos por Roy. O estudo traçou uma amostra constituída em sua grande parte do sexo masculino e com a faixa etária variando de 21 a 65 anos. Dados nacionais da sociedade brasileira de nefrologia revelam que o percentual de indivíduos em diálise do sexo masculino foi de 57%, com idade menor ou igual a 18 anos foi de 1.6%, e maior ou igual a 65 anos foi de 30.7%.1 Outra pesquisa11 revelou que 62.6% eram do sexo masculino e a média de idade foi de 51.1 anos. Corroborando com os dados do estudo em questão.

No que tange à escolaridade, o nível mais prevalente foi o fundamental. Sabe-se que o baixo nível de escolaridade pode tornar difícil a compreensão dos aspectos cognitivos da doença e tratamento, fato que poderá acarretar em um problema na adesão terapêutica.12 No que diz respeito à renda familiar, o quesito poder aquisitivo de 1 salário mínimo obteve a maioria das respostas. A baixa renda tende a se associar com outros problemas públicos, tais como: dificuldade ao acesso ao serviço de saúde, à nutrição adequada, ao transporte, ao tratamento farmacológico dialítico. Dificultando, assim, para a adaptação ao novo estilo de vida imposto pela doença.12 Em sua maioria os participantes da amostra tinham a presença de um companheira(o) e eram praticantes de crenças religiosas. Estudo12 que traça a qualidade de vida das pessoas em hemodiálise revela que na sua amostra 51.5% eram casados e 84.8% tinham orientação religiosa. Ter um companheiro torna-se vantajoso para a pessoa com doença renal em hemodiálise, uma vez que este necessita de ajuda para a realização de algumas atividades de vida diária, assim como para possíveis complicações e intercorrências. Outro aspecto positivo para este indivíduo é a participação em grupos religiosos, uma vez que melhora a sua vida psicossocial, pois ficam menos tempo sozinhos, diminuindo a ansiedade e tensão.13

Em relação aos diagnósticos de enfermagem, os que apresentaram frequência relativa superior a 50%, neste estudo, foram: Risco de Infecção (100%); Volume de líquidos excessivo (99.4%) e Hipotermia (61.8). Na realidade brasileira, alguns estudos14-16 identificaram diagnósticos de enfermagem segundo a NANDA Internacional no setor hemodialítico, sendo os principais: Risco de infecção; Perfusão tissular ineficaz: Renal; Intolerância à atividade, Padrão de sono perturbado; Volume de líquidos excessivo; Baixa Autoestima situacional; Proteção ineficaz; Desobediência; Dor aguda; Percepção sensorial perturbada; Insônia; Tristeza crônica; Conhecimento deficiente; Medo; Mobilidade física prejudicada; Risco de sentimento de impotência; Manutenção ineficaz da saúde. Vale ressaltar que, dentre esses estudos, poucos utilizaram uma teoria de enfermagem como subsídio e nenhum utilizou o modelo teórico de Roy.

O DE Risco de Infecção, presente em todos os indivíduos, não estabeleceu relação de semelhança com o problema adaptativo Infecção. Já que, para a NANDA Internacional, tal diagnóstico é definido como risco aumentado de ser invadido por organismos patogênicos. Os fatores de risco para a inferência do diagnóstico risco de infecção foram a realização de procedimentos invasivos que, neste caso, se configurou como a hemodiálise e a presença da doença crônica.17 O segundo diagnóstico mais frequente no estudo foi volume de líquido excessivo com o percentil de 99.4%. Uma pesquisa18 realizada com o objetivo de identificar o perfil dos diagnósticos de enfermagem nas pessoas em hemodiálise destacou que cerca de 70% da amostra apresentou o DE Volume de líquido excessivo, predominando as características definidoras ganho de peso em curto período e alteração da pressão arterial e o fator relacionado mecanismos reguladores. Controlar a ingesta de líquidos nas pessoas em hemodiálise é um importante preditor de resultados, contudo é uma restrição de difícil obtenção. Assim, estimular para melhor adesão das mesmas quanto ao seguimento das orientações oferecidas é papel fundamental da equipe de enfermagem.19

Estabeleceu-se a relação do DE volume de líquido excessivo, presente no domínio dois (nutrição) e na classe cinco (hidratação) da NANDA Internacional, com os problemas adaptativos de Roy retenção de líquido intracelular, hipercalemia, edema e hipocalcemia do processo complexo fluídos e eletrólitos.6,17 Verifica-se que existe divergência na posição dos termos, uma vez que o problema adaptativo está em um processo complexo diferente do domínio do DE da NANDA Internacional. Porém, ressalta-se que na Taxonomia II da NANDA Internacional não existe o domínio fluídos e eletrólitos. Os domínios presentes na referida classificação são: promoção da saúde, nutrição, eliminação e troca, atividade e repouso, percepção e cognição, autopercepção, papéis e relacionamentos, sexualidade, enfrentamento/tolerância ao estresse, princípios da vida, segurança/proteção, conforto e crescimento/desenvolvimento.17

Por outro lado, no modelo teórico de Roy, a organização dos problemas adaptativos é dividida em quatro modos: fisiológico, autoconceito, desempenho de papéis e interdependência. Sendo o modo fisiológico correspondente aos incentivos ambientais a um corpo humano, envolvendo assim cinco necessidades básicas de integridade fisiológica (oxigenação, nutrição, eliminação, atividade e repouso, e proteção) e quatro processos complexos (sentidos, líquidos-eletrólitos, função neurológica e função endócrina).

O Autoconceito englobando os aspectos psicológicos e espirituais que a pessoa mantém sobre ela mesma, possuindo dois componentes: eu físico e eu pessoal. O modo de desempenho de papéis identificando os padrões de interação social da pessoa, em relação aos outros, refletidos por papéis primários, secundários e terciários. E, por último, o de interdependência, que envolve interação com as outras pessoas, focalizando relacionamentos íntimos ou na posição na sociedade.6 Relacionou-se por semelhança o problema adaptativo hipotermia, que está contemplado no modo fisiológico na necessidade básica proteção proposto por Roy com o DE hipotermia da NANDA Internacional, que está presente no domínio onze (segurança/proteção), com a definição de temperatura corporal abaixo dos parâmetros normais.6,17 É notória a relação entre esse diagnóstico e o problema adaptativo hipotermia, devido à semelhança nos seus agrupamentos do domínio com a necessidade básica e das suas terminologias.  Estudo20 realizado com 65 prontuários, com o objetivo de analisar as complicações do indivíduo em terapia hemodialítica, revelou que a hipotermia foi a segunda intercorrência mais prevalente nesta população. A hipotermia está relacionada ao resfriamento do sangue pela circulação extracorpórea, pois a linha do sangue e/ou solução do dialisato ficam expostas à temperatura ambiente, fato que provoca a perda de calor por convexão.21

A relação entre a taxonomia dos diagnósticos da NANDA Internacional e os quatros modos adaptativos da Roy foi abordada em uma pesquisa22, na qual os autores relataram a existência de divergências numéricas entre as duas tipologias, visto que a de Roy apresenta uma quantidade inferior dos diagnósticos. O estudo destaca ainda uma forte relação ao se comparar as duas tipologias, fato que pode ser consequência da teórica Sister Callista Roy ter sido membro da NANDA Internacional desde os seus primeiros trabalhos. Logo, fica clara a relação entre as denominações dos DEs da NANDA Internacional com os problemas adaptativos do modelo teórico de Roy nos indivíduos submetidos à hemodiálise.

Conclusão

Foram estabelecidas 20 relações de semelhança entre os DEs da NANDA Internacional e os problemas adaptativos de Roy, a saber: Volume de líquidos excessivo e Edema/Retenção de líquido intracelular/Hipocalcemia/Hipercalemia; Nutrição desequilibrada: menos do que as necessidades corporais e Nutrição menor que as necessidades do organismo; Hipotermia e Hipotermia; Integridade da pele prejudicada e Integridade da pele prejudicada; Risco de quedas/Potencial para lesão e Risco de lesão; Percepção sensorial perturbada: auditiva, visual e tátil e Deficiência de um sentido primário: audição, visão e tátil; Fadiga e Intolerância à atividade; Insônia e Privação do sono; Mobilidade física prejudicada e Mobilidade andar e/ou coordenação restritos; Déficit no autocuidado para vestir-se e Perda de habilidade de autocuidado; Dor Crônica e Dor Crônica; Dor Aguda e Dor Aguda; Constipação e Constipação; Diarreia e Diarreia; Baixa autoestima situacional e Baixa autoestima; Disfunção sexual e Disfunção sexual; e Autocontrole ineficaz da saúde e Falha no papel.

Logo, observou-se uma semelhança entre os DEs estipulados pela NANDA Internacional e os problemas adaptativos de Roy para indivíduos em hemodiálise. A configuração dessas semelhanças exigiu uma análise crítica do modelo teórico adotado, já que o mesmo apresenta formas diferentes de estabelecer os diagnósticos de enfermagem. Destarte, destaca-se que o modelo teórico de adaptação de Roy percebe o indivíduo de forma biopsicosocial e busca transformar seus problemas de adaptação em indicadores positivos, e a NANDA Internacional classifica os problemas de enfermagem em DEs plausíveis de intervenções voltadas para a promoção da saúde do indivíduo, da família e da comunidade. Outrossim, o uso do processo de enfermagem, sob o contexto de uma teoria e de um sistema de classificação próprios da área, subsidia a assistência e contribui para o fortalecimento científico da enfermagem.

Convém destacar como fator de limitação deste estudo o fato de ter sido realizado apenas com as etapas de investigação (avaliação de comportamento e estímulos) e diagnóstico do processo de enfermagem. Dessa forma, sugere-se a realização de novos estudos que contemplem todas as etapas do PE, tendo em vista a realização de intervenções específicas e o alcance de resultados esperados objetivando melhor qualidade de vida do renal crônico em hemodiálise.

 

REFERÊNCIAS

  1. Sesso RC, Lopes AA, Thomé FS, Lugon JR, Santos DR. 2010 report of the Brazilian dialysis census. J Bras Nefrol. 2011; 33(4):442-7.
  2. National Kidney Foundation, KDOQI. Clinical practice guidelines for chronic kidney disease. Am J Kidney Dis. 2002; 39(2):S1-266.
  3. Bastos MG, Bregman R, Kirsztajn GM. Doença renal crônica: frequente e grave, mas também prevenível e tratável. Rev Assoc Med Bras. 2010; 56(2):248-53.
  4. Matos EF, Lopes A. Modalidades de hemodiálise ambulatorial: breve revisão. Acta Paul Enferm. 2009; 22:569-71.
  5. Garcia TR, Nóbrega MML. Processo de enfermagem: da teoria à prática assistencial e de pesquisa. Esc Anna Nery Rev Enferm. 2009; 13(1):188-93.
  6. Roy C, Andrews HA. The Roy Adaptation Model. 3rd ed. Upper Saddle River, New Jersey: Pearson; 2009.
  7. Sousa VD, Driessnack M, Mendes IC. An overview of research designs relevant to nursing. Part 1: Quantitative research designs. Rev Lat Am Enfermagem. 2007; 15(3):502-7.
  8. Fontelles MJ, Simões MG, Almeida JC, Fontelles RGS. Metodologia da pesquisa: diretrizes para o cálculo do tamanho da amostra. Rev Paran Med. 2010; 24:57-64.
  9. Mourão Jr CA. Questões em bioestatística: o tamanho da amostra. Rev Interdisc Est Experim. 2009; 1:26-8.
  10. Cerullo JAS, Cruz DALM. Clinical Reasoning and Critical Thinking. Rev. Lat Am Enfermagem. 2010; 18(1):124-9.
  11. Bertolin DC, Pace AE, Kusumota L, Haas V. An association between forms of coping and the socio-demographic variables of people on chronic hemodialysis. Rev Esc Enferm USP. 2011; 45(5):1070-6.
  12. Frazao CMFQ, Ramos VP, Lira ALBC. Qualidade de vida de pacientes submetidos a hemodiálise. Rev Enferm UERJ. 2011; 19(4):577-82.
  13. Terra FS, Costa AMDD. Avaliação da qualidade de vida de pacientes renais crônicos submetidos à hemodiálise. Rev Enferm UERJ.  2007; 15(4):30-6.
  14. Lata AGB, Albuquerque JG, Carvalho LASBP, Lira ALBC. Nursing diagnosis in adults on hemodialysis. Acta Paul Enferm. 2008; 21(spe):160-3.
  15. Souza EF, DE Martino MMF, Lopes MHBM. Diagnósticos de enfermagem em pacientes com tratamento hemodialítico utilizando o modelo teórico de Imogene King. Rev Esc Enferm USP. 2007; 41(4)629-35.
  16. Holanda RS, Silva VM. Diagnósticos de enfermagem de pacientes em tratamento hemodialítico. Rev RENE. 2009; 10(2):37-44.
  17. Herdman TH. Diagnósticos de enfermagem da NANDA: definições e classificação (2009-2011). Porto Alegre: Artmed; 2010.
  18. Costa AGS, Santos RMB, Vitor AF, Araujo, TL. Nursing diagnosis of patients in treatment of hemodialysis in teaching hospital. Rev Enferm UFPE. 2010; 4(3):1477-483.
  19. Yokoyama Y, Suzukamo Y, Hotta O, Yamazaki S, Kawaguchi T, Hasegawa T et al. Dialysis staff encouragement and fluid control  adherence in patients on hemodialysis. Nephrol Nurs J.  2009; 36(3):289-97.
  20. Silva GLDF, Thomé EGR. Complicações do procedimento hemodialítico em pacientes com insuficiência renal aguda: intervenções de enfermagem. Rev Gaucha Enferm; 2009; 30(1):33-9.
  21. Schell HM, Puntillo KA. Segredos em enfermagem na terapia intensiva. Porto Alegre (RS): Artmed; 2005.
  22. Lopes MVO, Araújo TL, Rodrigues DP. A relação entre os modos adaptativos de ROY e a taxonomia de diagnósticos de enfermagem da NANDA. Rev Lat Am Enfermagem. 1999; 7(4):97-104.

 

Abstract : 156

Article Metrics

Metrics Loading ...

Metrics powered by PLOS ALM


Esta publicación hace parte del Sistema de Revistas de la Universidad de Antioquia
¿Quieres aprender a usar el Open Journal system? Ingresa al Curso virtual
Este sistema es administrado por el Programa Integración de Tecnologías a la Docencia
Universidad de Antioquia
Powered by Public Knowledge Project