Documento sin título

ARTÍCULO ORIGINAL / ORIGINAL ARTICLE / ARTIGO ORIGINAL

 

Utilização de aplicativos digitais no ensino de cálculo de medicamentos para enfermagem

 

Use of digital applications in the medicament calculation education for nursing

 

Utilización de aplicativos digitales en la enseñanza del cálculo de medicamentos para enfermería

 

 

Francisco Gilberto Fernandes Pereira1; Joselany Afio Caetano2; Natasha Marques Frota3; Maguida Gomes da Silva4

 

1Enfermeiro, Mestre. Professor Assistente I da Universidade Federal do Piauí (UFPI), Campus Senador Helvídio Nunes de Barros (CSHNB), Piauí, Brasil. email: Gilberto.fp@hotmail.com

2Enfermeira, Doutora. Professora Adjunto IV da Universidade Federal do Ceará (UFC), Campus Porangabuçu, Fortaleza, Brasil. email: joselany@ufc.br

3Enfermeira, Doutora. Professora Adjunto I do Centro Universitário Estácio do Ceará (Estácio/FIC), Ceará, Brasil. email: natashafrota_@hotmail.com

4Enfermeira. Doutoranda em Enfermagem. Centro Universitário Estácio do Ceará (Estácio/FIC), Ceará, Brasil. email: maguidanurse@yahoo.com.br

 

Fecha de Recibido: Agosto 18, 2015. Fecha de Aprobado: Abril 28, 2016.

 

Conflicto de intereses: Ninguno.

Cómo citar este artículo: Pereira FGF, Caetano JÁ, Frota NM, Silva MG. Use of digital applications in the medicament calculation education for nursing. Invest. Educ. Enferm. 2016; 34(2):297-304.

doi:10.17533/udea.iee.v34n2a09

 


RESUMO

Objetivo.Avaliar a influência do uso de aplicativos digitais no ensino do cálculo de medicamentos em estudantes de enfermagem. Métodos. Se desenvolveu um estudo experimental com uma amostra de 100 estudantes de enfermagem do Município de Fortaleza - CE, Brasil, os quais foram designados em forma aleatória aos grupos de estudo (utilização do aplicativo Cálculo de Medicação -CalcMed- disponível gratuitamente na Internet, n=50) y de controle (método convencional com uso da calculadora e habilidades matemáticas prévias, n=50). Ambos grupos foram avaliados antes e depois da aplicação da estratégia de ensino com uma prova de dez perguntas específicas com cálculos de medicação. Resultados. O grupo de estudo apresentou uma média de acertos de 8.14 versus media de 5.02 no grupo controle. O tempo de execução da prova foi mais rápido no grupo de e0studo comparado com o do grupo controle (15.7 minutos versus 38.9). Conclusão. A estratégia de utilizar este aplicativo influencia positivamente a aprendizagem e  possibilita uma maior segurança na execução dos  cálculos de medicamentos.

Palavras chave: tecnologia educacional; informática em enfermagem; materiais de ensino; educação em enfermagem.


ABSTRACT

Objectives.To evaluate the influence of the use of digital applications in medicament calculation education for nursing students. Methods. An experimental study was developed with a sample of 100 nursing students, who were divided randomly into two groups (use of the Calculation Medicines - CalcMed application - available free on the Internet, n=50) and control (conventional method of the calculator use and pre-math skills, n=50). Both groups were assessed before and after the application of the teaching strategy through a test with ten specific questions of medicament calculations. Results. The study group showed a mean score of 8.14 versus an average of 5.02 in the control group. The average time of test execution was faster in the study group compared to the control group (15.7 versus 38.9 minutes). Conclusion. The strategy of using this application positively influences learning and enables greater security in the implementation of medicament calculations.

Key words: educational technology; nursing informatics; teaching materials; education, nursing.


RESUMEN

Objetivo.Evaluar la influencia del uso de aplicativos digitales en la enseñanza del cálculo de medicamentos en estudiantes de enfermería. Métodos. Se desarrolló un estudio experimental con una muestra de 100 estudiantes de enfermería del Municipio de Fortaleza CE, Brasil, asignados en forma aleatoria a los grupos de estudio (utilización del aplicativo Cálculo de Medicación -CalcMed- disponible gratuitamente en Internet, n=50) y de control (método convencional con uso da calculadora y habilidades matemáticas previas, n=50). Ambos grupos se evaluaron antes y después de la aplicación de la estratégia de enseñanza con un examen de diez preguntas específicas con cálculos de medicación. Resultados. El grupo de estudio presentó una media de aciertos de 8.14 versus media de 5.02 en el grupo control. El tiempo de ejecución del examen fue más rápido en el grupo de estudio comparado con el del grupo control (15.7 minutos versus 38.9). Conclusión. La estrategia en cuanto a la utilización este aplicativo influencia positivamente el aprendizaje y posibilita una mayor seguridad en la ejecución de los cálculos de medicamentos.

Palabras clave: tecnología educacional; informática aplicada a la enfermería; materiales de enseñanza; educación en enfermería.


 

INTRODUÇÃO

O processo ensino-aprendizagem passou por mudanças impactantes nos últimos anos em decorrência da descentralização do conhecimento exclusivo do professor, do reforço ao empoderamento do aluno e do desenvolvimento e utilização de recursos pedagógicos mais interativos e dinâmicos, destacando-se as inovações tecnológicas.1 Em meio a esses recursos, sobressaem as tecnologias digitais, as quais são ferramentas que buscam entre outras finalidades, a de facilitar a execução das tarefas humanas, minimizando a possibilidade de erros e, favorecer a segurança dos diversos sistemas. Sua aplicabilidade tem sido muito intensa enquanto recurso de auxílio no processo de ensino-aprendizagem, pois se sabe que a conectividade e a linguagem digital são partes integrantes da educação contemporânea.2

As habilidades relacionadas ao uso de tecnologia delineiam um novo modelo para o ensino na Universidade. Os recursos oferecidos pelos computadores, pela Internet e outras redes de comunicação evidenciam a necessidade de se estabelecerem vínculos entre os conteúdos das disciplinas e a realidade cotidiana.1 Notoriamente, as informações circulantes são mais ricas em forma e mais diversificadas em conteúdo do que aquelas existentes no ensino tradicional. Assim, diversos são os recursos que o professor pode escolher, dependendo do objetivo, conteúdo e características do estudante.3,4 Nesta perspectiva, vários estudos têm demonstrado que a aplicação de recursos tecnológicos, como: Moodle, aplicativos, redes sociais, fóruns e Ambientes Virtuais de Aprendizagem, proporcionam a aquisição de conhecimentos e habilidades cognitivas para a realização de procedimentos de enfermagem, aumentando a segurança e autoconfiança quanto à sua realização pelos estudantes.5,6

Neste estudo a tecnologia veio na utilização de um Software desenvolvido para ser instalado em dispositivo eletrônico móvel como, por exemplo, aparelhos celulares, Smartphones e Tablets. Esse recurso foi escolhido por se tratar de uma ferramenta computacional possível de ser executada em celulares, que é um dos meios mais democráticos de acesso à inclusão digital nos dias atuais. Portanto, a idealização deste estudo originou-se da observação dos docentes de enfermagem em uma Instituição de Ensino Superior privada acerca das dificuldades que os discentes possuíam para a realização dos cálculos matemáticos sobre o tema preparo e diluição de medicamentos, uma vez que para essa tarefa, se requer conhecimentos matemáticos simples como: operações básicas, regra de três e raciocínio lógico. Essas dificuldades de certo modo afetavam o rendimento da aprendizagem e se constituíam em fator estressor para o início das atividades práticas em hospitais.

Diante de tal contextualização, questiona-se: A utilização de aplicativos móveis por estudantes de enfermagem influencia positivamente a aprendizagem de cálculos de medicamentos? Justifica-se a realização deste estudo em virtude de que a utilização de tecnologias da informática na saúde deve ser incorporada cada vez mais no cotidiano do ensino de enfermagem, no sentindo de tornar esse processo mais atrativo e menos estressante, bem como pode proporcionar assistência de enfermagem mais segura, reduzindo as possíveis falhas humanas. Reforça-se, ainda, a eficácia da introjeção tecnológica na educação tendo como base a Teoria da Aprendizagem Significativa que enaltece em seu conceito a premissa de que um novo conhecimento deve se relacionar de maneira não arbitrária e substantiva à estrutura cognitiva do indivíduo que aprende, ou seja, de algum modo os novos conteúdos devem possuir associação significativa aos conhecimentos prévios do aluno, e ao mesmo tempo, de modo motivador, devem ser utilizados na prática posterior.7 Esse estudo teve como objetivo avaliar a influência do uso de aplicativos digitais na aprendizagem de estudantes de enfermagem sobre cálculo de medicamentos.

 

METODOLOGIA

Trata-se de um estudo experimental, realizado entre os meses de fevereiro a maio de 2013 em uma Instituição de Ensino Superior privada, no Município de Fortaleza-CE, Brasil, na disciplina Sistematização do Cuidar I. A referida disciplina possui abordagem teórico-prático, é ofertada no segundo semestre do curso de graduação em Enfermagem no local onde ocorreu a pesquisa, e possui em sua ementa a aquisição de conhecimentos e habilidades básicas relativas ao processo de enfermagem, mensuração e avaliação dos sinais vitais, e, por último, noções gerais de cálculo e administração de medicamentos, o que a tornou adequada para a aplicação dessa pesquisa. Na ocasião em que esta pesquisa foi realizada, havia três turmas cursando a disciplina, cada uma com 50 alunos, compreendendo, portanto uma população de 150 estudantes. A amostra do tipo probabilística foi calculada com base no cálculo de populações finitas considerando erro amostral de 5% e nível de confiança de 95%, que é probabilidade de acertos com o uso do aplicativo ser mais eficiente, o que resultou em 100 estudantes. Assim, os participantes foram recrutados conforme os seguintes critérios de inclusão: estar regularmente matriculado na disciplina de Sistematização do Cuidar I na instituição lócus da pesquisa; possuir aparelho eletrônico do tipo Android compatível com a linguagem do aplicativo e ter habilidades com uso de recursos tecnológicos simples. Foram excluídos aqueles que não participaram das aulas de cálculo de medicamentos

Após a seleção, a amostra foi dividida em dois subgrupos, para sorteio aleatório da intervenção e do grupo controle, sendo o grupo de intervenção composto por 50 estudantes que utilizariam o aplicativo CalcMed, e o grupo controle por 50 que utilizariam o método convencional (uso da calculadora e habilidades matemáticas prévias). Participaram como pesquisadores/mediadores dois professores da disciplina, que serão identificados como Professor A e Professor B. O aplicativo CalcMed é disponibilizado gratuitamente para download na loja virtual Google Play, e foi escolhido para uso nesta pesquisa, por tratar-se de um aplicativo com interface atrativa, fácil usabilidade e capacidade de uso mesmo no modo off-line. Possui comandos relativos a operacionalização básica de cálculos de medicamentos, como: gotejamento, vazão e transformação de soluções.

A intervenção foi operacionalizada da seguinte forma: o Professor A, capacitou os participantes da pesquisa acerca da utilização do aplicativo "Cálculo de Medicação" e sobre o método tradicional de resolução de situações-problema envolvendo cálculo de medicamentos para todos os alunos de ambos os grupos. Ao final da disciplina de Sistematização do Cuidar I, do curso de Enfermagem, foi solicitado aos alunos de ambos os grupos que respondessem a um teste contendo dez questões específicas de cálculos de medicação (diluição, gotejamento de soro, reconstituição de soluções, transformação de unidades de medida) no tempo máximo de sessenta minutos, em que o teste com marcação verde era do grupo de intervenção e o vermelho do grupo controle. Foram mensurados os seguintes itens: número de erros, número de acertos e tempo de resolução do teste.  Os dados coletados foram analisados pelo Professor B que não participou das etapas iniciais do estudo e não conhecia quem eram os grupos de intervenção e controle para garantir imparcialidade na avaliação dos resultados. Por fim, os dados foram organizados em tabelas, e analisados com a ajuda da estatística descritiva com apresentação da média, moda de ambos os grupos, e intervalos de confiança. Durante toda a pesquisa seguiram-se os postulados éticos de pesquisas com seres humanos conforme a legislação brasileira,8 e todos os estudantes que aceitaram participar do estudo assinaram o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido após serem esclarecidos sobre os objetivos da pesquisa. A pesquisa foi aprovada pelo Comitê de ética da Universidade Federal do Ceará com o protocolo 191/11, como parte integrante de um conjunto de intervenções para reduzir o nível de fatores estressores de acadêmicos de enfermagem ao vivenciarem a prática hospitalar.

 

RESULTADOS

Segue-se a apresentação dos resultados coletados a partir da aplicação do software educacional e da técnica tradicional para cálculo de medicamentos por estudantes de enfermagem. O perfil dos participantes em relação ao sexo foi composto prevalentemente pelo sexo feminino (40 no grupo de intervenção e 42 no grupo controle), ao passo que o sexo masculino compreendeu uma frequência menor da amostra (10 no grupo de intervenção e 8 no grupo controle). Conforme monstrado na Tabela 1, percebe-se que a média de idade é de 22.4 e 19.9 anos para os grupos de intervenção e controle, respectivamente. Ao avaliar a variável moda de acertos, média de erros e tempo médio de execução do teste, percebe-se que houve um aproveitamento significativamente melhor nos indivíduos que utilizaram o aplicativo para a realização dos cálculos, com um percentual de acertos na faixa de 80% dos itens propostos.

Tabela 1.

Na Tabela 2 nota-se que houve uma média de acertos de 8.14 ±1.67 pontos para o grupo de intervenção e apenas 5.02 ±3.21 para o grupo controle, demonstrando, portanto, maior eficiência com a utilização do aplicativo. A mensuração dos acertos no teste mostrou que os limites inferior do grupo de intervenção e superior do controle estiveram muito próximos, o que corrobora quanto a utilização do aplicativo gerar maior probabilidade de acertos quanto ao cálculo de medicamentos. Como visto na Tabela 2, é notória uma melhoria assertiva com o uso do aplicativo em comparação com a utilização de calculadoras e conhecimentos matemáticos prévios, o que permite aperfeiçoar a técnica e minimizar erros consideráveis para a prática.

Tabela 2.

 

DISCUSSÃO

Esta pesquisa coincide com os de outros estudos que apresentam ser esta a média da idade de alunos nas universidades brasileiras, e em específico nesta pesquisa a faixa etária também converge com os dados relativos ao perfil dos usuários de tecnologias móveis no País, onde a sua maioria é de adultos jovens. Pesquisas com públicos acadêmicos e propostas de estudo similares, também verificaram maior frequência de mulheres com intervalo de idades entre 18 e 30 anos.9-11 Neste estudo percebeu-se que a utilização do aplicativo apresentou resultados satisfatórios na aprendizagem dos alunos, o que corrobora com a literatura especializada da área, onde há evidências que essa modalidade de ensino para o desenvolvimento de habilidades para o estudante de enfermagem é recomendada, pois permite o acesso fácil por meio do telefone móvel conectado à Internet podendo ser acessado no campo de atividade prática para consulta de conteúdos teóricos, resolver problemas e fazer associações teórico-práticas.9

A Pesquisa evidenciou que com a incorporação das Tecnologias de Informação e Comunicação na educação emerge a necessidade de repensar os paradigmas da prática pedagógica e o papel do professor/aluno nas atividades de ensino/aprendizagem.12 A interlocução entre o ensino tradicional e as ferramentas digitais ainda é manifestada de forma discrepante quando comparados os países desenvolvidos com aqueles em desenvolvimento, pois se sabe que neste último caso há fatores limitantes para a implementação dessa proposta educacional, entre eles: escassez de recursos financeiros, falta de professores qualificados em desenvolver e utilizar ferramentas digitais, e, falta de políticas de governo adequadas.13

Estudo realizado na Etiópia com 1 096 estudantes da área de saúde apontou que uma das grandes barreiras para a implantação das tecnologias computacionais no ensino superior é pouca habilidade e escassos conhecimentos que os estudantes têm em realizar uma interlocução entre essas ferramentas e a aprendizagem dos conteúdos curriculares. Não obstante suscitou o fato de que conhecimentos deficitários sobre tecnologias da informática e da comunicação pode gerar uma resistência maior em utilizar esses recursos para incrementar a aprendizagem.13Diante do grande avanço das tecnologias de informação e comunicação, a informática tornou-se uma ferramenta imprescindível para o desenvolvimento da enfermagem A tecnologia, por meio de recursos computacionais, apoia o enfermeiro na prática da profissão em suas diversas áreas de atuação: educação, assistência, pesquisa e gestão.14

Reforçando a eficácia da tecnologia no ensino de enfermagem, um estudo acrescentou que os estudantes avaliaram o uso de objetos tecnológicos educacionais qualitativamente, atribuindo alto grau de satisfação e ressaltando a possibilidade do desenvolvimento de trabalho colaborativo. No entanto, ressaltaram que a ausência física do professor é um fator limitante para a aprendizagem.15O professor é, portanto, um canal essencial entre tecnologia e o aluno, ele problematiza, elucida e proporciona conhecimento teórico-prático, surgindo assim mais facilmente à interatividade.

Considerando a dinamicidade e usabilidade do aplicativo na prática do cálculo de medicação, pode-se concluir que sua utilização fez com que os estudantes economizassem em média 23 minutos para resolver questões relacionadas a cálculos de medicamentos com uma média de erros muito baixa. Em relação à variável tempo para resolução das questões do teste aplicado, fator similar foi percebido em uma pesquisa que desenvolveu um aplicativo para Smartphone sobre dimensionamento de pessoal em Unidades de Terapia Intensiva, onde concluiu-se que esse recurso diminuiu o tempo de trabalho dedicado a assistência indireta ao paciente, ou seja, longe da cabeceira do leito, propiciando assim, maior disponibilidade do profissional para prestar assistência direta ao cliente.16

Conforme a literatura, a tecnologia pode ser considerada a apreensão e a aplicação de um conjunto de conhecimentos e pressupostos que possibilitam aos indivíduos pensar, refletir, agir, tornando-os sujeitos de seu próprio processo de existência. Por sua vez, a criação de tecnologias advindas do ato de cuidar baseia-se no conhecimento técnico e científico, na observação do cotidiano e na preocupação com o bem-estar, tanto do cuidador, como do sujeito do cuidado.1 Desta forma este aplicativo compreende a construção de um artefato tangível, voltado para uma melhoria da saúde baseado em conhecimentos científicos. O uso desta tecnologia serve como um complemento à metodologia educacional já aplicada, obrigando o professor a manter-se constantemente atualizado face ao presente.

A tecnologia como processo, configura um recurso complementar, essencial e oriundo da tecnologia produto. Visa amenizar as deficiências desta, por meio dos grupos que humanizam; das capacitações ou treinamentos que reduzem os riscos ao qual o indivíduo, comunidade ou profissionais estariam expostos, além de permitir o uso, a manutenção e a avaliação do produto concebido.17 A presença desse aparato tecnológico na sala de aula não garante mudanças na forma de ensinar e aprender. A tecnologia deve servir para enriquecer o ambiente educacional, propiciando a construção de conhecimentos por meio de uma atuação ativa, crítica e criativa por parte de alunos e professores. Para se desenvolver o processo ensino-aprendizagem, utilizando as tecnologias digitais, é fundamental que docentes e discentes estejam engajados, compreendendo-os como sujeitos. Neste sentido, os professores precisam preocupar-se com a renovação contínua das técnicas e/ou modalidades de ensino e elaborar estratégias estruturadas para não ocorrer a subutilização/superestima dos recursos digitais.

Percebe-se que a enfermagem, na condição de ciência promotora de cuidado, deve apoderar-se das tecnologias existentes, para elevar a qualidade da assistência prestada, pois trabalhos dessa natureza contribuem para a difusão do conhecimento novo. O entendimento da tecnologia na saúde proporciona aos profissionais, respaldo das suas ações no âmbito teórico-metodológico, possibilitando a aplicação do conceito em sua plenitude.12 Sendo assim, seria de todo interessante obter cada vez mais, aplicativos direcionados para a área da saúde, de forma a melhorar substancialmente os serviços e minimizar ao máximo o erro humano. Salienta-se que o uso da tecnologia sempre estará atrelado aos cuidados humanos, onde um complementa o outro e não se substituem.

A respeito da tecnologia e ensino, caracteriza-se pela interatividade e não linearidade, definindo como teia de conhecimento e um ensino em rede. O professor deve dominar a máquina e aproveitar o potencial da tecnologia em proveito de um ensino e uma aprendizagem mais criativa, autônoma, colaborativa e interativa, sem que haja a necessidade de temê-la.6 Pesquisa adverte que o desempenho de enfermagem pode ser afetado negativamente se as tecnologias de informação e comunicação forem utilizadas inadequadamente.18 Ao optar por incorporar a tecnologia, é imperativo que os educadores tenham regras básicas para uma boa prática de ensino e domínio do recurso. A experiência docente na criação e na seleção da ferramenta tecnológica pode influenciar a satisfação do aluno no processo de aprendizagem.4

Diante do exposto é possível identificar o benefício do uso do aplicativo em sala de aula, pois o mesmo otimiza o tempo do aluno e do professor, faz com que o aluno tenha maior segurança em executar aquele determinado cálculo e impede um maior número de erros na aplicação do cálculo. O uso de novas tecnologias vem melhorar o processo técnico e científico e faz com que o enfermeiro procure novos recursos para melhorar a prática, reduzir tempo de aplicações técnicas e resultados, estabelecer o bem-estar do paciente e oferecer mais segurança na realização do cuidado.

A conclusão desta pesquisa é que o uso do aplicativo por estudantes de enfermagem sobre cálculo de medicamentos gera um impacto satisfatório e positivo na aprendizagem, e possibilita a execução do cuidado com maior segurança ao paciente e ao futuro profissional. Verifica-se também desta forma que esta tecnologia (aplicativo) é capaz de aperfeiçoar a aquisição de conhecimento de acadêmicos de enfermagem de modo complementar a educação tradicional.

As tecnologias devem ser utilizadas por docentes e discentes de várias maneiras, desde a construção de bases de dados informatizados, material bibliográfico, aplicativos, até aqueles aplicados em diferentes atividades de enfermagem, sejam no ensino, na pesquisa ou na prática profissional. A limitação do estudo compreende o fato de não ter sido realizada avaliação de critérios de qualidade do aplicativo quanto à decorrência da aprendizagem, como por exemplo, o tempo que os alunos precisam para aprender os comandos? é possível o trabalho de grupo? A interface permite o feedback com estratégias inteligentes e abertas a informações com assistência e decisões dos usuários?  Sugere-se, portanto, que essas características qualitativas sejam avaliadas, e que novos aplicativos possam ser desenvolvidos e inseridos no ensino de outras técnicas e procedimentos de enfermagem na tentativa de fortalecer o processo ensino-aprendizagem.

 

 

REFERÊNCIAS

1. Okada A, Barros DMV. Ambientes Virtuais de Aprendizagem aberta: bases para uma nova tendência. Rev Digit Tecnol Cognitivas. 2010; 3:20-35.

2. Paiva VMO. Ambientes virtuais de aprendizagem: implicações epistemológicas. Educ. Rev. 2010; 26(3):353-70.

3. Castro MCN, Dell' Acqua MCQ, Corrente JE, Zornoff DCM, Arantes LF. Aplicativo informatizado com o nursingactivities score: instrumento para gerenciamento da assistência em unidade de terapia intensiva. Texto Contexto - Enferm. 2009; 18(3):577-85

4. Alvarez AG, Dal Sasso GTM. Virtual learning object for the simulated evaluation of acute pain in nursing students. Rev. Latino-Am Enfermagem. 2011; 19(2):229-37.

5. Telles-Filho PCP, Cassiani SHB. Creation and evaluation cycle of a distance module for nursing undergraduates, named "Medication admnistration". Rev. Latino-Am Enfermagem. 2008; 16(1):78-85.

6. Frota NM, Barros LM, Araújo TM, Caldini LN, Nascimento JC; Caetano JA. Construção de uma tecnologia educacional para o ensino de enfermagem sobre punção venosa periférica. Rev. Gaucha Enfem. 2013; 34(2):29-36.

7. Moreira MA, Mansini EFS. Aprendizagem significativa: a teoria de David Ausubel. 2nd ed. São Paulo: Centauro; 2011.

8. Resolução Nº 466 do Conselho Nacional de Saúde, de 12 de dezembro de 2012 (BR). Aprova as diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Diário Oficial da União. 13 jun. 2013

9. Galvão ECF, Püschel VAA. Aplicativo multimídia em plataforma móvel para o ensino da mensuração da pressão venosa central. Rev. Esc. Enferm. USP. 2012 ; 46(esp):107-15.

10. Cruz NS, Soares DKS, Bernardes A, Gabriel CS, Pereira MCA, évora YDM. A competência técnica em informática de alunos de enfermagem. Rev Esc. Enferm. USP. 2011; 45(Sp):1595-9.

11. Costa PB, Prado C, Oliveira LFT, Peres HHC, Massarollo MCKB, Fernandes MFP, et al.. Digital fluency and the use of virtual environments: the characterization of nursing students. Rev. Esc. Enferm. USP. 2011; 45(Sp):1589-94.

12. Holanda VR, Pinheiro AKB, Fernandes AFC, Holanda ER, Souza MA, Santos SMJ. Análise da produção científica nacional sobre a utilização de tecnologias digitais na formação de enfermeiros. Rev. Eletr. Enf. 2013; 15(4):1068-77

13. Woreta SA, Kebede Y, Zegeye DT. Knowledge and utilization of information communication technology (ICT) amog health Science studentes at the university of Gondar, North Western Ethiopia. Med. Inform. Decis. Mak. 2013; 3:13-31.

14. Sanches LMP, Jensen R, Monteiro MI, Lopes MHBM. Informatics teaching in undergraduate nursing programs at Brazilian public institutions. Rev. Lat-Am Enfermagem. 2011 ; 19(6):1385-90.

15. Cogo ALP, Silveira DT, Pedro ENR, Tanaka RY, Catalan VM. Aprendizagem de sinais vitais utilizando objetos educacionais digitais: opinião de estudantes de enfermagem. Rev. Gaúcha Enferm. 2010; 31(3):435-41.

16. Catalan VM, Silveira DT, Neutzling AL, Martinato LHM, Borges GCM. Sistema NAS: NursingActivities Score em tecnologia móvel. Rev. Esc. Enferm. USP. 2011; 45(6):1419-26.

17. Aquino PS, Melo RP, Lopes MVO, Pinheiro AKB. Análise do conceito de tecnologia na enfermagem segundo o método evolucionário. Acta Paul. Enferm. 2010; 23(5):690-6.

18. Fujino Y, Kawamoto R. Effect of information and communication technology on nursing performance. Comput. Inform. Nurs. 2013; 31(5):244-50.

 

Abstract : 863

Article Metrics

Metrics Loading ...

Metrics powered by PLOS ALM


Esta publicación hace parte del Sistema de Revistas de la Universidad de Antioquia
¿Quieres aprender a usar el Open Journal system? Ingresa al Curso virtual
Este sistema es administrado por el Programa Integración de Tecnologías a la Docencia
Universidad de Antioquia
Powered by Public Knowledge Project