Protection of children and adolescents victims of violence: the views of the professionals of a specialized service

Priscila Arruda da Silva, Valéria Lerch Lunardi, Rodrigo Dalke Meucci, Simone Algeri

Abstract


Objective. To know the obstacles faced by the professionals to work in network and challenges of the work of the professionals in the Reference Center Specialized in Social
Assistance (CREAS) of a municipality in the extreme south of Brazil.

Methods. It is a qualitative study, developed with twelve professionals of a CREAS. Data collection was
performed through a semi-structured interview, from April to May 2016. The interviews were submitted to content analysis.

Results. The fragmentation among the various
services that make up the victim assistance network is an obstacle for professionals as they are unable to continue the recovery and health promotion actions of these
families. The professionals point out the bureaucratic procedures, the accumulation of functions and the lack of human and financial resources as a routine problem
and that seriously hinders the progress of the service.

Conclusion. For the professionals, the protection network presents weaknesses that compromise the guarantee of the rights of children and adolescents.

Descriptors: adolescent; child; exposure to violence; child advocacy qualitative research.

 

How to cite this article: Silva PA, Lunardi VL, Meucci RD, Algeri S. Protection of children and adolescents victims of violence: the views of the professionals of a specialized service. Invest. Educ. Enferm. 2018; 36(3):e02.


Full Text:

PDF ENGLISH PORTUGUESE HTML

References


(1) Hillis S, Mercy J, Amobi A, Kress H. Global Prevalence of Past-year Violence Against Children: A Systematic Review and Minimum Estimates. Pediatrics. 2016; 137(3):1-13.

(2) Walsh J, Spangaro J, Soldatic, K. Global understandings of domestic violence. Nurs. Health Sci. 2015; 17(1):1-4.

(3) World Health Organization. Global status report on violence prevention [Internet]. 2014 [cited 20 Dec 2016]. Available from: http://www.who.int/violence_injury_prevention/violence/status_report/2014/en/.

(4) Brasil. Estatuto da Criança e do adolescente: lei n. 8.069, de 13 de julho de 1990, e legislação correlata. 9. ed. – Brasília: Câmara dos Deputados, Edições Câmara; 2010. Available from: http://www.crianca.mppr.mp.br/arquivos/File/publi/camara/estatuto_crianca_adolescente_9ed.pdf.

(5) Rosa EM, Lira MOSC. Intrafamiliar violence against children and adolescents: support and overcoming network. J Hum. Growth Dev. 2012; 22(2):246-52.

(6) Brasil. Ministério da Previdência e Assistência Social. Portaria nº 878/2001, de 03 de dezembro de 2001, Estabelece diretrizes e normas do Programa Sentinela, e dá outras providências. Republicada, no Diário Oficial da União, Brasília.

(7) Ministério do Desenvolvimento Social (MDS) 2013. CREAS Institucional. [cited 12 Nov 2014]. Available from: http://www.crianca.mppr.mp.br/arquivos/File/suas/creas/creas_institucional.pdf

(8) Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. População estimada para o Município do Rio Grande. 2014 [cited 2017 Oct 12]. Available from: http://www.cidades.ibge.gov.br/xtras/perfil.php?lang=&codmun=431560&search=riogrande-do-sul|rio-grande

(9) Childhood Brasil. 6º Mapeamento de Pontos Vulneráveis à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes nas Rodovias Federais Brasileiras.2014 [cited 2017 Nov 20]. Available from: http://www.namaocerta.org.br/pdf/Mapeamento2013_2014.pdf

(10) Bardin L. Análise de Conteúdo. São Paulo: Edições 70; 2011.

(11) Pelisoli C, Pires JPM, Almeida ME. Violência sexual contra crianças e adolescentes: dados de um serviço de referência. Temas Psicol. 2010; 18(1):85-97.

(12) Cardoso AVM, Teixeira SM. Políticas de atenção à criança e ao adolescente em situação de risco social. Emancipação. 2017; 17(1):45-57.

(13) Ribeiro JP, Silva MRS, Cezar Vaz MR, Silva PA, Silva BT. The protection of children and adolescents: an analysis of public policies and their relationship with the health sector. Invest. Educ. Enferm. 2013; 31(1):133-41.

(14) Lopes CS, Brisola EMA. Trabalhadores do centro de referência especializado em assistência social: dificuldades vividas no cotidiano profissional. Rev. Ciênc. Humanas. 2017; 10(20):134-47.

(15) Hohendorff JV, Patias ND. Violência sexual contra crianças e adolescentes: identificação, consequências e indicações de manejo. Barbarói. 2017; 49(1):239-57.

(16) Souza AMF, Sousa FJP. Avaliação do enfrentamento às violências contra crianças e adolescentes: a experiência da Comissão de Prevenção aos Maus-Tratos em uma Unidade de Saúde da Família da SER V. Rev. Avaliação Polit. Publicas. 2014; 2(14):128-47.

(17) Deslandes S, Mendes CHF. Quem avalia, atua melhor! Guia para análise avaliativa dos municípios no enfrentamento da violência intrafamiliar e exploração sexual de crianças e adolescentes. Rio de Janeiro: Fiocruz; 2011.

(18) Vieira MS, Grossi PK, Costa RG. O enfrentamento à violência sexual contra crianças e adolescentes: os caminhos para a municipalização das ações em Porto Alegre. Anais 2º Encontro Internacional de Política Social 9º Encontro Nacional de Política Social; 2014. Available from: http://repositorio.pucrs.br/dspace/bitstream/10923/9469/2/o_enfrentamento_a_violencia_sexual_contra_criancas_e_adolescentes_os_caminhos_para_a_municipalizacao_das_acoes_em_porto.pdf

(19) Gonçalves CFG, Silva LMP, Pitangui ACR, Silva CC, Santana MV. Atuação em rede no atendimento ao adolescente vítima de violência: desafios e possibilidades. Texto Contexto Enferm. 2015; 24(4):976-83.

(20) Silva PA, Lunardi VL, Ribeiro JP, Oliveira AMN, Vasquez TCS. A notificação da violência intrafamiliar contra crianças e adolescentes por profissionais de saúde no Brasil. Av. Enferm. 2015; 33(1):142-50.

(21) Deslandes SF, Mendes CHF, Pinto LW. Proposição de um índice do enfrentamento governamental à violência intrafamiliar contra crianças e adolescentes. Cad. Saúde Pública. 2015; 31(8):1709-20.

(22) Deslandes SF, Mendes CHF, Luz ES. Análise de desempenho de sistemas de indicadores para o enfrentamento da violência intrafamiliar e sexual contra crianças e adolescentes. Cien. Saude Colet. 2014; 19(3):865-74.




DOI: https://doi.org/10.17533/udea.iee.v36n3e02 Abstract : 232 PDF : 276 ENGLISH : 26 PORTUGUESE : 22 HTML : 16

Article Metrics

Metrics Loading ...

Metrics powered by PLOS ALM


Esta publicación hace parte del Sistema de Revistas de la Universidad de Antioquia
¿Quieres aprender a usar el Open Journal system? Ingresa al Curso virtual
Este sistema es administrado por el Programa Integración de Tecnologías a la Docencia
Universidad de Antioquia
Powered by Public Knowledge Project