PT06

Validação do Questionário de Limitações no Trabalho em militares do Exército Brasileiro

Juliane Umann(1)

Rodrigo Marques da Silva(2)

Cristilene Akiko Kimura(3)

Vitor Cauê Lopes(4)

Dirce Bellezi Guilhem(5)

Objectivo

Validar o Questionário de Limitações no trabalho (WLQ) para avaliar presenteísmo em militares do Exército Brasileiro.

Métodos

Trata-se de uma pesquisa de validação de um teste realizada com 125 de militares de uma organização militar do Exército Brasileiro. Aplicaram-se um Formulário para caracterização sócio-demográfica e funcional e o WLQ, composto por 25 itens. A validade de constructo foi avaliada por meio de análise fatorial confirmatória.

Resultados

Confirmou-se a estrutura interdependente dos domínios para explicar o presenteísmo na população de estudo em domínios: demanda de produção, demanda mental, demanda física e gerência do tempo. A maioria dos itens apresentou cargas fatoriais entre 0.5 e 0.7 e os índices de ajuste (absolutos e incrementais) e de resíduos apresentaram valores satisfatórios. Os Alfas por domínio variaram de 0.68 (demanda de produção) a 0.79 (gerência do tempo), evidenciando confiabilidade do WLQ.

Conclusão

Confirmou-se a validade de constructo do WLQ para avaliar presenteísmo em militares do exército brasileiro

Descritores

saúde do trabalhador; militares; estudos de validação; psicometria


Validation of the Work Limitations Questionnaire in Brazilian Army military personnel

Objective

To validate the Work Limitations Questionnaire (WLQ) to measure presenteeism in Brazilian military personnel.

Methods

This is a test validation study conducted with 125 individuals of a military staff attending a Brazilian Army Unit. We applied a form with demographic and occupational variables and the WLQ, composed of 25 items. The construct validity was assed trough confirmatory factorial analysis.

Results

We confirmed the interdependent structure of the WLQ´s domains for explaining the presenteeism of the sample in four domains: outcome demand, mental demand, physical demand and time management. Most of items showed factorial loads between 0.5 and 0.7 and the adjustment (absolute and incremental) and residues indexes demonstrated satisfactory values. The Alphas in domains ranged from 0.68 (output demand) to 0.79 (time management) in domains, evidencing reliability for the WLQ.

Conclusion

We confirm the construct validity of the WLQ to assess presenteeism in Brazilian military staff.

Desctriptors

occupational health; military personnel; validation studies; psychometrics


Validación del cuestionario de limitaciones en el trabajo en militares del ejército brasileño

Objectivo

Validar el Cuestionario de Limitaciones en el Trabajo (WLQ) para evaluar el presentismo en militares del ejército brasileño.

Métodos

Se trata de un estudio de validación de pruebas conducido con 125 militares de una organización militar del Ejército Brasileño. Se aplicó un formulario para la caracterización sociodemográfica y funcional y el WLQ, compuesto por 25 ítems. La validez de constructo se evaluó mediante del análisis factorial confirmatorio.

Resultados

Se confirmó la estructura interdependiente de los dominios para explicación del presentismo en el grupo de estudio en cuatro dominios: demanda de producción, demanda mental, demanda física y gerencia del tiempo. La mayoría de los ítems presentaron cargas factoriales entre 0.5 y 0.7 y los índices de ajuste (absolutos e incrementales) y de residuos tuvieron valores satisfactorios. La confiabilidad por dominio varió de 0.68 (demanda de producción), 0.73 (demanda física) y 0.79 (gerencia del tiempo), evidenciando confiabilidad del WLQ.

Conclusión

El WLQ es un instrumento confiable y válido para evaluar el presentismo en militares del ejército brasileño.

Desctriptores

Salud Laboral; Personal Militar; Estudios de Validación; Psicometría


Introdução

Tendências organizacionais no âmbito da saúde do trabalhador, especialmente aquelas voltadas ao desempenho e produtividade, têm sido alvo frequente de debates por suas consequentes repercussões gerenciais, econômicas e legais frente às exigências do mercado de trabalho.1 A partir disso, novas concepções surgem e têm sido estudadas no intuito de promover maior entendimento da relação trabalho-saúde-doença na perspectiva de prevenção de danos frente aos desajustes entre demandas e capacidade para o trabalho.

Nesse sentido, o presenteísmo foi criado para descrever a crescente propensão dos trabalhadores a passarem longas horas no ambiente laboral quando eles temiam por seu trabalho.2 Habitualmente mais aceita nas investigações acerca da saúde do trabalhador, consta a concepção que descreve a relação entre a enfermidade e a perda de produtividade. Dessa forma, apesar das queixas e problemas de saúde, há presença do trabalhador no seu local de trabalho, mas a realização de atividades inerentes às suas funções ocorre de um modo não produtivo.3 Assim, são possíveis duas condutas diferentes do trabalhador, a ser: cumprir jornadas extensas de trabalho como reflexo de seu comprometimento ou uma forma de enfrentar a contínua inseguridade laboral; bem como irem trabalhar doentes e, devido às suas condições médicas, não serem produtivos.4

A cultura do presenteísmo tem sido sugerida a partir das diferentes incidências encontradas em grupos ocupacionais distintos, sem que os mecanismos coletivos mediadores tenham sido investigados.5-8 Nesta lógica, algumas ocupações, como a dos militares, estariam mais inclinadas ao presenteísmo, devido, em parte, à identidade profissional, aos valores e princípios éticos e a características específicas, como hierarquia e disponibilidade permanente.9 Além disso, é possível que o nível de identificação com o trabalho e a centralidade do mesmo na vida sejam cruciais para o entendimento do presenteísmo nesta população.10 Para tanto, ferramentas válidas e confiáveis de mensuração do presenteísmo são imprescindíveis para diagnosticar este fenômeno no contexto organizacional e, consequentemente, estimar o impacto de doenças sobre a produtividade dos trabalhadores. Todavia, mensurar presenteísmo é um desafio por ser uma condição não palpável, aparentemente encoberta e que necessita do reconhecimento do profissional sobre sua melhor e pior condição para o desenvolvimento das atividades no trabalho. Ainda, a medição direta da produtividade é uma tarefa difícil, principalmente para ocupações em cuja cultura institucional engloba traços marcantes de identidade profissional. Logo, dependendo de como o presenteísmo é conceituado e mensurado nas investigações, tem-se implicações distintas à saúde e bem-estar dos profissionais.

No ponto de vista da saúde, a atenção ao presenteísmo fornece não somente um meio para verificar as perdas de produtividade associadas, mas importantes conexões entre ter uma condição médica, a definição de si próprio como doente e os comportamentos associados ao retorno ao trabalho assumindo a condição de estar doente. Oportunamente, justifica-se o interesse pela realização desta investigação por enfermeiros pela recente inserção e ampliação de vagas para estes profissionais no âmbito do Exército Brasileiro. Ainda, a crescente participação desta categoria profissional em estudos sobre saúde e aspectos psicossociais do trabalho, que viabilizam a identificação de alterações neste âmbito em militares, implica em cuidado apropriado e/ou encaminhamentos pertinentes. Com a atuação de enfermeiros em unidades militares de atendimento médico-hospitalares em que se presta assistência a seus dependentes e reservistas, estende-se este benefício a uma parcela importante da população civil.

Nesse contexto, apesar de ser uma concepção relativamente recente e de complexa medição, já existem instrumentos de mensuração do presenteísmo aplicados em diferentes realidades,11 como o Work Limitations Questionnaire (WLQ)12 e o Stanford Presenteeism Scale (SPS-6)13, ambos validados para o Brasil.14,15 Destes, o WLQ é o que teve suas propriedades psicométricas mais extensivamente testadas para avaliar o impacto da saúde geral e de condições específicas na produtividade dos indivíduos.5 Ele foi traduzido e validado para a realidade brasileira junto a funcionários e estudantes de pós-graduação para a avaliação de presenteísmo a partir da medida de produtividade perdida associada à interferência dos problemas de saúde no desempenho das atividades no trabalho.14 A partir de sua validação, apenas um estudo incluindo enfermeiros hospitalares, foi realizado e obteve, por meio do alpha de Cronbach, confiabilidade atestada, com valores que variaram entre 0.78 e 0.90.16 No entanto, não se verifica na literatura nacional e internacional sua validação para militares do Exército. Além disso, esse instrumento teve sua validade analisada há quase dez anos, condição que podem afetar sua estabilidade (confiabilidade) e validade, ou seja, sua capacidade de medir aquilo que se propõem a medir.17,18 Em vista do exposto, o objetivo deste estudo consistiu em validar o Questionário de Limitações no Trabalho (WLQ) para esta população.

No campo da enfermagem, especificamente da enfermagem do trabalho, o WLQ permite a identificação de casos de presenteísmo com base na perda de produtividade no espaço de trabalho, o que possibilita a identificação do impacto do processo laboral na saúde dos trabalhadores e o desenvolvimento de ações que minimizem os fatores causais relacionados. Tendo em vista a ampliação do campo de atuação do enfermeiro, a validação do WLQ para aplicação em militares permitirá que esses benefícios sejam estendidos para avaliação da relação trabalho-saúde no contexto do exército brasileiro.

Métodos

Trata-se de uma pesquisa metodológica realizada com 125 de militares de uma organização militar do Exército Brasileiro de Porto Alegre (Brasil). Incluíram-se militares componentes do efetivo permanente que atuam na referida Organização Militar, cujas graduações compõem-se de oficiais, subtenentes, sargentos, cabos e soldados. Como critérios de exclusão, definiram-se: soldados do efetivo variável (em período de prestação de serviço obrigatório), militares em Licença para tratamento de saúde (LTS) durante todo o período de coleta de dados ou afastados por motivo de qualquer natureza. O protocolo de pesquisa foi aplicado em outubro de 2016 e compôs-se pelos seguintes instrumentos auto preenchíveis: Formulário para caracterização sociodemográfica e laboral e Questionário de Limitação no Trabalho (WLQ). O Formulário para caracterização abordou as seguintes variáveis sociodemográficas: data de nascimento, sexo, situação conjugal e nível de escolaridade. As variáveis laborais incluíram: treinamento, informações sobre transferências, carga horária de trabalho diária (considerando a quantidade de horas trabalhadas após final do expediente), forma de vinculação ao serviço militar (temporário ou carreira) e tempo de trabalho no Exército.

O WLQ é um instrumento composto por 25 itens (Tabela 1), envolvendo o caráter multidimensional das funções desenvolvidas no ambiente ocupacional, agrupados em quatro domínios de limitação de trabalho: Gerência de tempo, contém cinco itens (questão 1) que abordam dificuldades em cumprir horários e tarefas no tempo previsto; Demanda física, inclui seis itens (questão 2) que avaliam a capacidade de realizar tarefas que exijam força corporal, resistência, movimento, coordenação e flexibilidade; Demanda mental-interpessoal, composta por nove itens (questões 3 e 4) que avaliam a dificuldade em realizar tarefas cognitivas no trabalho e interagir com pessoas no trabalho; e Demanda de produção, possui cinco itens (questão 5) que se referem a decréscimos na habilidade da pessoa de conseguir, em tempo hábil, a quantidade e qualidade de trabalho concluído necessárias.14

Tabela 1: Itens que compõem o WLQ. Porto Alegre, 2016.

http://tone.udea.edu.co/imgTone/v36n3/pt_v36n3e06t01.jpg

Cada escala apresenta um escore que varia de 0 (sem limitação) a 100 (todo o tempo com limitação). O escore indica a porcentagem de tempo, nas 2 últimas semanas, pela qual o indivíduo esteve limitado para realizar suas tarefas no trabalho. Sendo assim, se escala de demanda mental interpessoal o escore for 30 significa que o indivíduo esteve limitado em 30% do tempo destinado ao desenvolvimento desse tipo de tarefa. Após o cálculo de todas as escalas, é possível definir o índice WLQ, que representa um percentual de redução na sua produtividade quando comparado a um indivíduo saudável.

Para o armazenamento e organização das informações, foi construído um banco de dados em uma planilha eletrônica no programa Excel (Office 2010), onde foram inseridas as variáveis sociodemográficas e os itens que compõe o instrumento. Além disso, para o controle de qualidade dos dados, realizou-se a dupla digitação dos dados, processo que contou com a participação de dois digitadores independentes. Após a construção do banco, os dados foram analisados no programa Statistical Package for Social Sciences (SPSS, versão 10.0) e o complemento AMOS do mesmo software, utilizado para as análises fatoriais confirmatórias. As correlações de Pearson foram utilizadas para avaliar a interdependência dos fatores na explicação do presenteismo. Já as cargas fatoriais permitiram analisar a contribuição dos itens para seus respetivos fatores. O Alfa de Cronbach foi utilizado para análise da confiabilidade do WLA a partir da avaliação de sua consistência interna.

Considerou-se a recomendação de se utilizar pelo menos um indicador de ajuste absolto e um incremental, além do (2 e Grau de Liberdade (GL), bem como um índice de má qualidade de ajuste (resíduo).19 Assim, como medidas absoluta, utilizaram-se: (2 (Ajuste= >0.05), (2 normatizado (Ajuste= <3.0), baseado no GL; Índice de Qualidade do Ajuste (GFI) (Ajuste= >0.95). Como indicadores incrementais, foram utilizados: Índice de Ajuste Comparativo (CFI) (Ajuste= >0.92) e Índice de Tucker Lewis (TLI) (Ajuste= >0.92).19 Já como medida de má qualidade de ajuste, destacam-se: Raiz do erro quadrático médio de aproximação (RMSEA) (Ajuste= r<0.08 considerando CFI >0.92) e Raiz Padronizada do Resíduo Médio (SRMR) (Ajuste= r<0.09 considerando CFI >0.92).19 Ainda, utilizou-se o fator de inflação da variância para confirmar a presença de colinearidade (VIF>10). Os preceitos éticos, previstos pela Resolução nº466/12 do Conselho Nacional de Saúde, foram respeitados na condução dessa pesquisa, tendo o projeto recebido aprovação pelo CEP/UFRGS sob nº 1.679.372, CAAE nº 57814616.5.0000.5347. Destaca-se que, após exposição dos objetivos do estudo, todos os indivíduos que aceitaram participar da pesquisa assinaram o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido antes de receberem o protocolo de pesquisa.

Resultados

Dos 150 militares elegíveis para a pesquisa, quatro (04) militares estavam em Licença para tratamento de saúde (LTS) e 21 afastados por envolvimento em missões externas a caserna durante todo o período de coleta de dados. Assim, obteve-se uma população de acesso de 125 militares (24 oficiais e 101 praças), cuja caracterização sociodemográfica e funcional é apresentada na Tabela 2.

Tabela 2: Caracterização sociodemográfica e funcional dos 125 militares do Exército. Porto Alegre, 2016

http://tone.udea.edu.co/imgTone/v36n3/pt_v36n3e06t02.jpg

Uma vez que as hipóteses a serem testadas têm indícios teóricos e foram respaldadas em análises empíricas anteriores em populações similares, a confirmação das estruturas fatoriais nos constructos pôde ser estabelecida com as técnicas de análise fatorial confirmatória. Na Figura 1, apresentam-se os resultados obtidos na análise fatorial confirmatória do modelo de mensuração do Questionário de Limitações no Trabalho (WLQ).

Figura 1: Modelo de Mensuração do Questionário de Limitações no Trabalho (WLQ). Porto Alegre, 2016

http://tone.udea.edu.co/imgTone/v36n3/pt_v36n3e06f01.jpg

Verificam-se correlações satisfatórias, embora com valores pouco acima ou abaixo do limite definido, confirmando a estrutura interdependente dos domínios para a explicação do presenteísmo nesta população. Quantos às cargas fatoriais, a maioria dos itens apresentou valores satisfatórios, conforme ponto de corte estabelecido (entre 0.4 e 0.7). Já os itens WLQ1a (Gerência do Tempo); WLQ 2e (Demanda Física); bem como WLQ3b, WLQ 3e e WLQ3f (Demanda Mental) apresentaram valores acima de 0.85. No entanto, os valores de VIF encontrados não confirmaram colinearidade desses itens, conforme segue: 3.444(WLQ3b), 4.158(WLQ 3e), 3.815(WLQ3f); 2.870(WLQ 2e) e 1.740(WLQ1a).

Verificou-se alfas de Cronbach de 0.79 para o domínio Gerência do tempo, de 0.73 para Demanda física, de 0.78 para Demanda mental, de 0.68 para Demanda de produção e de 0.89 para todos os 25 itens do instrumento, evidenciando-se consistência interna satisfatória ao instrumento. Embora alguns valores de alfa tenham ficado pouco abaixo e das cargas fatoriais pouco acima do esperado, considerando-se os índices de ajuste obtidos para a estrutura fatorial (Tabela 3), nenhum item foi excluído da Escala.

Tabela 3: Índices de Ajuste e má qualidade de ajuste obtidos para o WLQ. Porto Alegre, 2016

http://tone.udea.edu.co/imgTone/v36n3/pt_v36n3e06t03.jpg

Verificou-se que os valores encontrados para as medidas absolutas e incrementais foram satisfatórios. Já os índices de má qualidade de ajuste ficaram pouco acima do esperado. No entanto, dado a presença de resíduos (diferença entre valores observados e esperados) em um limite aceitável e a adequação dos dados nos demais indicadores, nenhuma alteração foi realizada. Assim, confirma-se a validade de constructo do Questionário de Limitações no Trabalho para avaliar presenteísmo em militares do Exército Brasileiro.

Discussão

Até a década de 70, os pesquisadores utilizaram técnicas da análise fatorial exploratória para alcançar, tanto fins exploratórios, como objetivos confirmatórios. Atualmente, as novas técnicas de análise fatorial confirmatória podem atingir os mesmos objetivos ao reproduzir a estrutura fatorial e confirmar uma teoria.20 Nesse sentido, a análise fatorial realizada testou e confirmou o ajuste da estrutura do WLQ previamente definida na literatura em estudos empíricos.14 Reitera-se a importância desta fase, uma vez que permitiu atestar validade à estrutura operacional utilizada para medir os construtos, alcançando também confiabilidade satisfatória, avaliada pela estatística alfa.

Em sua versão traduzida e adaptada culturalmente para o Brasil, o WLQ foi submetido à avaliação psicométrica por teste-reteste (coeficiente de correlação intraclasse entre 0.600 e 0.800) e análise de consistência interna (alfa de Cronbach entre 0.808 a 0.904).14 A validação por teste-reteste da escala original indicou quatro domínios, cujos itens apresentaram correlações item-total corrigidas entre 0.53 e 0.83. Os Alfas de Cronbach encontrados variaram de 0.88 a 0.91, atestando confiabilidade ao instrumento.12 Em análise pormenorizada dos parâmetros utilizados para avaliação da estrutura interna o WLQ nessa pesquisa, constatou-se que as cargas fatoriais, que fornecem indicação sobre a contribuição da variável para explicação do constructo, apresentaram valores satisfatórios. Isso indica que a estrutural fatorial do instrumento representa satisfatoriamente o modelo teórico existente e, portanto, é operacionalmente capaz de medir o presenteísmo em militares do Exército Brasileiro.

A variação encontrada nas cargas pode ser justificada pelo n populacional em questão e pela possível homogeneidade em suas características, o que afeta a variância total explicada. Ainda, em instrumentos unifatoriais, por sua convergência esperada de itens, podem haver multicolinearidades, expressas por cargas fatoriais altas. Os indícios de potencial colinearidade, tidos pelos valores encontrados acima de 0.70, quando submetidos a VIF não se confirmaram. Portanto, embora essas variáveis apresentem variância comum acima do desejado, essa interação não é suficiente para que elas meçam a mesma face do fenômeno. Nesse sentido, é preciso considerar que pode haver dificuldade de se obter índices satisfatórios em soluções fatoriais confirmatórias quando distribuições não-normais ocorrem juntamente com outras violações de pressupostos, tais como: a falta de independência entre as variáveis, os erros de mensuração e um número insuficiente de pessoas na amostra.20

Na análise da qualidade de ajuste por meio das medidas absolutas, incrementais e de má qualidade, verificou-se a adequação destes índices de qualidade de ajuste. No entanto, os valores de RMSEA/WRMR levemente aumentados indicaram a presença de resíduos, ou seja, diferenças entre os valores obtidos na matriz observada e esperada. Quanto maior esse valor, mais distintos são os modelos obtidos com os dados empíricos em relação àquele hipotetizado pelo pesquisador. Apesar destas alterações nos indicadores de resíduo, ao se considerar o conjunto dos itens, os resultados satisfatórios nos indicadores absolutos e incrementais e que o as medidas de resíduos estiverem poucos décimos acima do valor de corte, não foram realizadas exclusões de itens do WLQ. Ainda, houve a ponderação dos pesquisadores sobre a retenção ou exclusão de itens, considerando-se que, muitas vezes, eles contêm informações essenciais para avaliar o construto, pequenas variações podem ser consideradas. Sabe-se que a AFC contribui para o processo de revisão e refinamento de instrumentos psicológicos e suas estruturas fatoriais. Por isso, futuras aplicações desse método devem ser encorajadas, especialmente se houver interesse de possíveis modificações na atual estrutura interna do WLQ ou de investigar a invariância da estrutura atual entre diferentes grupos ou amostras.

Conclusão

Verificou-se que a estrutura interna do WLQ apresenta validade de constructo e confiabilidade satisfatória para aplicação em militares do Exército Brasileiro a fim de mensurar presenteísmo. Esse fenômeno é um potencial catalisador para avanços teóricos na linha de saúde do trabalhador, pois permite abordar áreas obscuras existentes entre a não produtividade (absenteísmo) e a excelência do exercício das funções no trabalho. A partir da adequação nos sistemas de medição, ressalta-se a importância da realização de investigações que avaliem as relações deste constructo a características contextuais, psicossociais em trabalhadores de diversas ocupações, e, em especial, entre militares do Exército Brasileiro. Assim, será viável conhecer seus efeitos sobre as instâncias organizacionais; e compreender as reais consequências deste tipo de atividade à saúde dos militares, sendo, portanto, possível elaborar medidas preventivas, estimular o desenvolvimento de características resilientes e aprimorar os métodos de tratamento existentes. No campo da enfermagem, uma versão específica do WLQ para militares permitirá a identificação de casos de presenteísmo no contexto do exército brasileiro, permitindo que o enfermeiro, especialmente o enfermeiro do trabalho, possa planejar e implementar o processo de enfermagem de forma mais eficaz nesta população, com base nos fatores causais relacionados à perda de produtividade no trabalho, promovendo , assim, a saúde do trabalhador e ofertando aos gestores condições para a revisão dos processo de trabalho no campo militar. Nesse contexto, são esperados benefícios à saúde dos indivíduos expostos a situações adversas e/ou potencialmente traumáticas que perpassam a esfera militar.

References

1 

Biron C, Saksvik O. Sickness Presenteeism and Attendance Pressure Factors: Implications for Practice. In: Cooper CL, Quick JC, Schabracq MJ, Editors. International Handbook of Work and Health Psychology. Nova Jersey: Wiley-Blackwell; 2009. p.77-92.

2 

Aronsson G, Gustafsson K, Dallner M. Sick but yet at work. An empirical study of sickness presenteeism. J epidemiol community health. 2000; 54(7):502-09.

3 

Johns G. Presenteeism in the workplace: a review and research agenda. J. Organiz. Behav. 2010; 31(4):519-42.

4 

Cheryl I. AMA Manual of Style: A Guide for Authors and EditorsOxford: Oxford University Press; 2016. Work Limitations Questionnaire: Publications and Presentations..10th ed. Oxford: Oxford UP; 2016.

5 

Baptista PCP, Pustiglione M, Almeida MCS, Felli VEA, Garzin ACA, Melleiro MM. Nursing workers health and patient safety: the look of nurse managers. Rev. Esc. Enferm. USP. 2015; 49(n.spe2):122-8.

6 

Umann J, Guido LA, Silva RM. Stress, coping and presenteeism in nurses assisting critical and potentially critical patients. Rev. Esc. Enferm. USP . 2014; 48(5):891-8.

7 

Arumugam V, MacDermid JC. The Work Limitations Questionnaire (WLQ-25). J. Phys. 2013; 59(4):276.

8 

Simmons A, Yoder L. Military resilience: a concept analysis. Nurs. Forum. 2013; 48(1):17-25.

10 

D'Errico A, Viotti S, Baratti A, Mottura B, Barocelli AP, Tagna M, et al. Low back pain and associated presenteeism among hospital nursing staff. J. Occup. Health. 2013; 55(4):276-83.

11 

Ospina MB, Dennett L, Waye A, Jacobs P, Thompson AH. A Systematic Review of Measurement Properties of Instruments Assessing Presenteeism. Am. J. Manag. Care. 2015 ;21(2):171-85.

12 

Lerner D, Amick BC, Rogers WH, Malspeis S, Bungay K, Cynn D. The Work Limitations Questionnaire. Med. Care. 2001; 39(1):72-85.

13 

Koopman C, Pelletier KR, Murray JF, Sharda CE, Berger ML, Turpin RS, et al. Stanford Presenteeism Scale: health status and employee productivity. J. Occup. Environ. Med. 2002; 44(1):14-20.

14 

Soárez PC, Kowalski CCG, Ferraz MB, Ciconelli RM. Tradução para português brasileiro e validação de um questionário de avaliação de produtividade. Rev. Panam. Salud Pública. 2007; 22(1):21-8.

15 

Paschoalin HC, Griep RH, Lisboa MTL, Mello DCB. Adaptação transcultural e validação para o português brasileiro do Stanford Presenteeism Scale para avaliação do presenteísmo. Rev. Latino-Am. Enfermagem. 2013; 21(1):388-95 .

16 

Umann J, Guido LA, Grazziano ES. Presenteeism in hospital nurses. Rev. Latino-Am. Enfermagem . 2012; 20(1):159-66.

17 

Hulley SB, Cumming SR, Browner WS, Grady DG, Hearst NB, Newman TB. Delineando a pesquisa clínica: uma abordagem epidemiológica. Porto Alegre; Artmed; 2008.

18 

Damasio BF. Contribuições da análise fatorial confirmatória multigrupo (AFCMG) na avaliação de invariância de instrumentos psicométricos. Psico. USF. 2013; 18(2):211-20.

19 

Hair JF, Black WC, Babin BJ, Anderson RE, Tatham RL. Análise Multivariada de Dados. 6. ed. Porto Alegre: Bookman, 2009.

20 

Pilati R, Laros JA. Modelos de Equações Estruturais em Psicologia: Conceitos e Aplicações. Psic. Teor. Pesq. 2007; 23(2):205-16.

Notes

Conflicts of interest: none

How to cite this article:  Umann J, Silva RM, Kimura CA, Lopes VC, Guilhem DB. Validation of the Work Limitations Questionnaire in Brazilian Army military personnel. Invest. Educ. Enferm. 2018; 36(3):e06.

Affiliations

Info

Abstract : 184

Article Metrics

Metrics Loading ...

Metrics powered by PLOS ALM


Esta publicación hace parte del Sistema de Revistas de la Universidad de Antioquia
¿Quieres aprender a usar el Open Journal system? Ingresa al Curso virtual
Este sistema es administrado por el Programa Integración de Tecnologías a la Docencia
Universidad de Antioquia
Powered by Public Knowledge Project